Tragédia / Girabola

13-02-2017 13:51

Tragédia no futebol marcou semana desportiva em Angola

O incidente no Uíge resultou na morte de 17 pessoas.
Tragédia no futebol marcou semana desportiva em Angola
Foto: ROSARIO DOS SANTOS

A tragédia ocorreu aos sete minutos do jogo entre Santa Rita de Cássia e Recreativo do Libolo.

Por SAPO Desporto c/ Angop sapodesporto@sapo.pt

O incidente ocorrido sexta-feira no jogo inaugural do Girabola'2017 entre Santa Rita de Cássia e Recreativo do Libolo (0-1), no estádio municipal 4 de Janeiro, que resultou na morte de 17 pessoas e 61 feridas, marcou a semana desportiva em Angola.

A tragédia ocorreu aos sete minutos do jogo quando centenas de espectadores invadiram um dos portões de acesso ao estádio para entrar, tendo muitos deles caído, sendo pisoteados e asfixiados.

Este incidente mereceu a solidariedade do Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, que orientou apoio total às famílias das vítimas, bem como a instauração de um inquérito para apuração das causas.

O presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, e instituições como a Federação Internacional de Futebol (FIFA), a União Europeia de Futebol (UEFA) e a Federação Espanhola de Futebol também manifestaram sentimento de pesar perante tão infausto acontecimento.

Entretanto, o Girabola2017 prosseguiu sábado e domingo com a observação de um minuto de silêncio. O Kabuscorp do Palanca derrotou a Académica do Lobito, por 3-0, o 1º de Maio foi derrotado no seu reduto pelo Recreativo da Caála (1-2), enquanto Desportivo da Huíla e ASA ficaram pelo nulo.

O Petro de Luanda venceu o Progresso do Sambizanga (2-1) e o FC Bravos do Maquis suplantou o Progresso da Lunda Sul (1-0), mesmo resultado verificado no triunfo do Sagrada Esperança sobre o Interclube.

A jornada encerra no próximo dia 23 quando se defrontarem 1º de Agosto - JGM do Huambo, adiado devido ao envolvimento dos “militares” nas Afrotaças, em que perdeu, no estádio Phillip Omondi, no Uganda, frente ao Kampala City FC, por 0-1, em desafio da primeira mão da primeira eliminatória de acesso à fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões Africanos. O único golo foi marcado por Geoffrey Sserunkuma, aos 48 minutos. A partida da segunda mão acontece dia 19 do mês em curso, em Luanda.

Ainda sobre o desporto "rei", Angola baixou quatro lugares no ranking da FIFA atualizado quinta-feira, em Zurique (Suíça), ocupando agora a 148ª posição, com 184 pontos, num quadro liderado pela Argentina com 1.635 pontos.

Cabo Verde (74º) com 466 pontos destaca-se entre os países africanos falantes da língua portuguesa, enquanto Portugal é oitavo com 1.240. O Egito (vice-campeão continental) é o país africano mais bem classificado com 881 pontos, no 23º lugar.

No basquetebol, na disputa da dupla 15ª e 16ª jornada do campeonato angolano sénior masculino, o Recreativo do Libolo do Cuanza Sul venceu no sábado o 1º de Agosto, por 103 – 94 e reforçou a liderança da competição com 32 pontos. Na sexta-feira, o 1º de Agosto derrotou o Petro de Luanda, por 95-88, no pavilhão Vitorino Cunha, lotado de espectadores.

A seleção angolana masculina de basquetebol em sub-19 integra o grupo D do mundial da categoria, a decorrer em Junho próximo, no Egito, juntamente com as congéneres dos Estados Unidos da América (campeão em título), Irão e Itália, ditou o sorteio realizado este sábado no Cairo. O Mali figura no grupo C, com o Canadá, Japão e a Espanha, enquanto o anfitrião Egito fará a primeira fase do campeonato na série B, ao lado da Alemanha, Porto Rico e Lituânia.

O pugilista Alfredo Sassa confirmou o seu favoritismo ao derrotar Francisco Cambembo, por pontos (149-136), na categoria de 64 quilogramas da Gala de Boxe Profissional inserida nos festejos do Dia Nacional do Desporto (23 de Janeiro), disputada no Complexo Turístico Paz Flor.

No outro encontro Henriques Lando impôs-se sobre o Alexandre Bonito, por 149-140, igualmente nos 64 kgs.

No desporto adaptado, a 11ª edição da Taça Sayovo em atletismo prevista para sábado (11) foi adiada para dia 4 de março por questões técnicas e organizativas, apurou a Angop junto do Comité Paralímpico Angolano (CPA).

Conteúdo publicado por Sportinforma