Dois meses depois da deceção no Campeonato do Mundo da Rússia, o Brasil inicia nesta sexta-feira contra os Estados Unidos um novo ciclo com o objetivo de conquistar o 'Hexa' no Mundial Catar2022, mas com um teste de fogo antes: a Copa América do ano que vem em casa.

Não há tempo a perder para o Brasil de Neymar, que corre à procura de renovação após o último golpe sofrido.

Luto
Parecia que desta vez a Seleção tinha aprendido com os seus erros. Chegou à Rússia em alta, praticamente imbatível desde que Tite assumiu o comando e decidida a afastar de vez o fantasma do '7-1' e do Campeonato do Mundo de 2014.

Mas, quando se deu conta, tudo estava acabado.

Aconteceu muito rápido, nos 31 minutos que a Bélgica precisou para marcar dois golos. Naquela noite em Kazan, o Brasil foi eliminado do Mundial nos quartos de final, Tite ficou sem palavras e Neymar ferido.

"Não queria ver bola à minha frente, não queria ver futebol, porque queria desligar-me um pouco de tudo. Tive momentos de luto, de tristeza, de ficar sozinho. Não queria ver ninguém, mas a tristeza não pode durar para sempre", tinha confessado o craque à AFP semanas depois da eliminação.

Tite pensou de forma semelhante a Neymar. Depois de dar tempo à deceção, o técnico aceitou renovar o contrato com a CBF com o objetivo de comandar a Seleção por um ciclo completo.

Mas, para chegar ao Catar, terá que superar um teste de fogo na Copa América, torneio que o Brasil não conquista desde 2007 e no qual voltará ao palcos do desastre de 2014.

"Joguei duas Copas América e sei da dificuldade. Em casa temos que tentar ganhar, porque o Brasil precisa de voltar a ser campeão", afirmou o lateral Filipe Luís, que reconheceu ter tido "pesadelos" nos dias seguintes à eliminação na Rússia.

Renovação
Apesar de chegar ao Mundial com números quase perfeitos, faltou à equipa de Tite algo mais, e o técnico assumiu a missão de encontrá-lo. Para isso, levou aos Estados Unidos doze jogadores que não estiveram na Rússia - seis deles estreantes -, sacrificando pesos pesados como Marcelo, Miranda ou Gabriel Jesus.

Embora o promissor Pedro, melhor marcador do Campeonato Brasileiro pelo Fluminense, tivesse de ser retirado dos convocados por lesão, a expectativa está noutros jovens talentos como Lucas Paquetá (Flamengo), Andreas Pereira (Manchester United) ou Arthur (Barcelona).

O jogador dos catalães, elogiado recentemente por ninguém menos do que Lionel Messi, já tinha sido convocado, mas não se estreou com a camisola do Brasil.

Esse facto salvou Arthur das habituais praxes aos estreantes - obrigados a cantar e dançar diante dos companheiros -, organizados por veteranos como Neymar e publicados nas redes sociais.

Apesar dos seus 26 anos, o avançado do PSG inicia o seu terceiro ciclo com uma Seleção em transformação que chega aos Estados Unidos com menos da metade dos jogadores que competiram na Rússia, após as baixas de última hora de Fágner e Renato Augusto.

"Nós, os mais veteranos, temos que passar conhecimento aos novatos. Vamos acolher os estreantes para que cheguem da melhor maneira possível e nos ajudem", afirmou Thiago Silva, que aos 33 anos é o mais velho e experiente jogador convocado por Tite.

Sem medo
Mais profunda ainda está a ser a renovação nos Estados Unidos. Após o duro golpe que foi não conseguir a qualificação para o Mundial da Rússia, o técnico Dave Sarachan concentrou-se na procura por jovens talentos para a Gold Cup de 2019.

Desde novembro do ano passado, 18 jogadores estrearam-se com a camisola da seleção norte-americana. Entre eles o avançado do PSG Timothy Weah, que não hesitou em brincar com Neymar e Thiago Silva, seus companheiros em Paris, antes de se enfrentarem em Nova Jérsia.

"Eu disse-lhes: 'Vamos ganhar porque não temos medo. Não temos medo de nada'", contou o filho do lendário George Weah ao site da federação americana.

Um resultado positivo seria uma proeza para o futebol do Estados Unidos, que perdeu 17 dos 18 confrontos da sua história contra o Brasil.

E, para dificultar ainda mais a tarefa, Christian Pulisic, principal jogador da equipa, não jogará devido a uma lesão.

A partida será disputada nesta sexta-feira à 01h00 (hora de Lisboa) no MetLife Stadium, em Nova Jérsia. No dia 11, o Brasil voltará a campo para enfrentar El Salvador em Washington.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.