Os promotores do encontro particular de futebol entre as seleções de Israel e da Argentina, em Jerusalém, lamentaram hoje o seu cancelamento e desafiam os sul-americanos a não se deixarem render ao terrorismo e a reverterem a decisão.

Numa nota divulgada à comunicação social, a empresa responsável pela organização do jogo previsto para sábado, a Comtec Group, apela aos argentinos, que decidiram na terça-feira cancelar a partida, para não se renderem ao terrorismo.

"Entre Israel e Argentina há uma forte e estreita ligação que já foi testada no passado. Não se pode permitir que o terrorismo possa determinar a agenda global. Hoje é o cancelamento de um jogo em Israel, amanhã será o de um evento significativo na Argentina. Não devemos desistir", afirma a Comtec Group na nota.

Na terça-feira, a federação argentina de futebol decidiu cancelar o jogo agendado para sábado, em Jerusalém, integrado na preparação para o Mundial2018, na sequência da campanha do movimento BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanções) contra Israel devido à ocupação dos territórios palestinianos.

A decisão de transferir o jogo amigável de Haifa para Jerusalém, enquadrado nas comemorações dos setenta anos da criação do Estado israelita, intensificou a campanha do BDS, que considera que a cidade está ocupada em violação do direito internacional, considerou o ministro da Defesa israelita, Avigdor Lieberman.

No comunicado, a Comtec Group refere que sempre houve e haverá terrorismo, mas este não deve entrar no desporto, e que milhares de adeptos de futebol vão ficar desiludidos por não assistirem ao jogo, por causa de algumas dezenas de manifestantes.

A Comtec recorda que o objetivo era “promover uma mensagem de paz e coexistência na região” e que isso incluía um jogo de entretenimento entre a seleção argentina e crianças judias, muçulmanos e cristãs, como parte da promoção da paz através do desporto.

“O cancelamento é um golpe sério para quem acredita que o desporto pode e realmente unir pessoas e povos. isso é um sinal claro de rendição ao terror e apenas uma distração", argumenta a empresa responsável pela organização do jogo.

O presidente de Israel, Reuvén Rivlin, reagiu hoje e mostrou-se muito preocupado pela decisão da Argentina de cancelar o jogo amigável contra a seleção israelita de futebol, em Jerusalém, considerando que se trata de um caso político.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.