Na senda da polémica sobre a ausência dos atletas do 1º de Agosto na seleção nacional de Angola, consideradas irrefletidas pelo vice-presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF), Adão Costa, a direção do clube militar encarou as declarações desse dirigente federativo como sensacionalistas, derivadas de falsidade e injuriosas à dignidade do clube.

A formação esclarece em nota publicada no seu site que as duas instituições, em reunião, analisaram em conjunto os convocados do 1º de Agosto e constatou-se que haviam dois jogadores por posição: Natael e Paizo, dois laterais esquerdos, Show e Macaia, dois trincos, Nelson e Geraldo, dois extremos direitos.

Em função dos objetivos do 1º de Agosto na Afrotaças, onde pretende atingir a fase de grupos na liga dos clubes campeões africanos. Acordou-se assim deixar de fora da convocatória um jogador de cada posição e dos nove futebolistas iriam quatro integrar os treinos da seleção, nomeadamente Massunguna, Macaia, Bua a Paizo.

À data marcada para apresentação dos atletas todos os convocados se fizeram presentes para os exames médicos, exceto os jogadores que não estavam em Luanda: Massunguna de férias em França e Paizo em Benguela por ter a mãe doente. Apresentou-se ainda o atleta Show que constava da convocatória, mas desconhecia o acordo entre a FAF e o Clube, tendo sido de imediato dispensado por este facto.

Constatando que dessa forma não haveria ninguém do clube na seleção, tomou-se a decisão de fazer apresentar outros jogadores, Natael e Show, embora não fizessem parte dos escolhidos pelo acordo das partes. O atleta Show, acompanhado pelo vice-presidente para o futebol, Paulo Magueijo, apresentou-se no estádio da Cidadela, mas o médico da selecção, Pedro Miguel, constatando que o atleta não estava em condições, dispensou-o.

Assim, no que respeita ao 1º de Agosto, foram feitos todos os esforços para conciliar os interesses da Selecção e da sua equipa. Os contratempos que se verificaram são normais e decorrem da própria actividade desportiva.

A nota adianta que o Clube Desportivo 1º de Agosto, pessoa colectiva de direito privado (não pública ou estatal como se pretendeu dizer), está ciente das suas obrigações desportivas devidamente enquadradas na regulamentação dos organismos internacionais (FIFA e CAF) e na regulamentação da FAF.

Na quarta-feira, na apresentação dos 23 futebolistas que representarão Angola no Campeonato Africano das Nações para atletas que atuam nos seus respetivos países, a decorrer de 13 de janeiro a 4 de fevereiro em Marrocos, o vice-presidente da Federação Angolana de Futebol, Adão Costa, considerou que 1º de Agosto tomou uma atitude imprudente a não ceder os seus atletas para a selecção nacional.

O dirigente lamentou a falta de patriotismo do clube militar, que deveria servir de exemplo e sentir-se na obrigação de cumprir com as normas federativas vigentes nas leis desportivas.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.