O Comité de Accionistas da FIFA recomendou a implementação de novas medidas para contrariar a influência dos agentes nos negócios do mundo do futebol.

O organismo, comandado por Gianni Infantino, pretende colocar um limite nas comissões recebidas pelos empresários.
De acordo com a proposta, as comissões ficam limitadas a 10% do total da transferência para os agentes dos clubes vendedores, 3% do salário do jogador para o seu empresário e 3% do salário do jogador para o agente do clube comprador.

Ainda no capítulo das comissões, a FIFA quer que os agentes cobrem as suas comissões a apenas uma das partes envolvidas no negócio (clube vendedor, jogador, clube comprador) sendo que o pagamento passará a ser feito via Câmara de Compensações (‘FIFA Clearing House’) - um 'banco' criado pelo organismo para controlar o dinheiro envolvido nas transferências.

O organismo que controla o futebol mundial prevês também novas regras para os empréstimos.

Para garantir que as cedências servem para desenvolvimento desportivo do jogador e não apenas por motivos financeiros serão impostos limitações nos empréstimos internacionais de jogadores com idade igual ou superior a 22 anos.

Já a partir da próxima época o número de empréstimos entre clubes de diferentes países terão um limite de oito por clube, limite que diminui duas épocas depois (2022/2023) para seis.

Além disso passa tambem a existir um limite de três empréstimos de saída e três de entrada.

Estas propostas, apresentadas na passada quarta-feira, serão analisadas pelo Comité da FIFA no dia 24 de outubro.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.