Numa altura em que o regresso ao futebol já paira no ar em alguns campeonatos, ainda há muita incerteza sobre a forma como será feito retorno ao jogo.

Para já uma coisa é certa: Os jogos à porta fechada vão ser uma realidade, com os adeptos longe dos protagonistas, num regresso à competição sujeito a uma série de regras impostas pelas autoridades sanitárias e pelos governos.

Recolhimento obrigatório na I Liga

Por cá, a Direção Geral de Saúde (DGS) de saúde já divulgou um parecer técnico para o regresso ao futebol do primeiro escalão.

Os jogadores já sabem que, para minimizar o risco de infeção, terão de ficar em casa, mantendo-se em recolhimento domiciliário desde a data do início dos treinos até ao final da temporada.

As autoridades de saúde recomendam também o recolhimento, com o o cumprimento de medidas rigorosas de distanciamento físico com outras pessoas. As deslocações dos intervenientes acima indicados devem restringir-se ao trajeto domicílio-clube/competição-domicílio”, pode ler-se no site da FPF.

Antes dos jogos

Até ao início das competições, - Em Portugal conta-se que a I Liga se inicie no dia 4 de junho - os jogadores das equipas terão que realizar dois testes laboratoriais de forma a confirmar "que estão clinicamente aptos", a participar nas competições oficiais.

Depois dos Jogos

Os jogadores já sabem, que antes de cada partida, vão ser submetidos a dois testes. Um 48 horas antes de cada partida, e outro mais próximo da hora do início do encontro.

Jogos à porta fechada e limitação do número de recintos

Os jogos vão ser realizados à porta fechada. Já em relação à concentração de pessoas no estádio, esta será limitada a 10 pessoas. Caberá às autoridades acautelar que a situação seja cumprida.

Isolamento dos planteis em hotéis para evitar a proliferação do vírus

Durante o que falta jogar na I Liga, os planteis deverão ficar concentrados em hotéis, não só para proteger os grupos de trabalho, mas também as respetivas famílias, evitando-se assim um possível risco de contágio e as consequências que daí advêm.

Já em relação aos recintos, são já conhecidos os palcos para as últimas 10 jornadas.

A FPF e a Liga Portugal já informam que são para já 10 os estádios estão aprovados pela DGS e poderão de imediato receber jogos:

O Estádio Capital do Móvel, casa do Paços de Ferreira, foi o 10.ª estádio a ser aprovado pela Direção Geral de Saúde (DGS) para receber jogos da I Liga.

Oficial: Já são conhecidos os estádios onde vão ser disputados os jogos da I Liga até final da época
Oficial: Já são conhecidos os estádios onde vão ser disputados os jogos da I Liga até final da época
Ver artigo

Cinco substituições e VAR é facultativo

A FIFA deu mesmo 'luz verde' para que os clubes possam fazer cinco substituições, duas a mais das que são permitidas.

O organismo autoriza as alterações em três momentos do jogo. Ao intervalo, caso as duas equipas façam substituições irá contar para ambas. Será então necessário duas substituições duplas por equipa para o total de cinco.

Já o critério para a aplicação desta nova regra temporária fica ao critério da competição.

No que diz respeito ao video-árbitro também fica à responsabilidade dor organismos que gerem a prova.

Comportamentos riscados entre os jogadores: Proibido cuspir, dar abraços e a troca de camisolas

Festejos do Basileia
Festejos do Basileia créditos: AFP or licensors

Com o regresso aos jogos, os atletas vai ter os comportamentos condicionados até quase ao mais ínfimo pormenor.

Por exemplo, a Liga Inglesa deverá impor novas regras com duração até final da temporada, mas que deverá ser transversal a outros campeonatos.

Nas comemorações dos golos, a troca de camisolas e cuspir passarão a ser proibidos. Em caso de abraço na altura de um golo, os jogadores em causa poderão ser admoestados com um cartão amarelo.

Estas regras tratam-se de um protocolo que a Premier League pretende que seja respeitado. Este exemplo também poderá ser seguido em outros países.

Médicos alertam para possíveis riscos

Em Inglaterra, vários médicos mostram-se céticos em relação ao reinício das competições.

Os clínicos alertam para possíveis problemas que o regresso ao futebol poderá trazer, com a pandemia da COVID-19.

O risco presente é o de morte, associado à transmissão da COVID-19 através do suor e das luvas de guarda-redes.

Aconselha-se mesmo a que não haja qualquer contacto entre os jogadores, o que num desporto como o futebol acaba por ser uma recomendação impossível de ser concretizada.

Também há vozes discordantes entre os adeptos. Numa sondagem levada a cabo na Alemanha, 56 por cento dos inquiridos mostraram-se contra o regresso da Bundesliga.

Na I Liga faltam disputar cerca de 90 jogos. O FC Porto lidera a prova com um ponto de vantagem sobre o Benfica. O retorno está marcado para o 4 de junho.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.