As regras do futebol estão em constante evolução desde que a bola começou a rolar, primeiro nos pelados e depois nos relvados. Muitas mudanças foram introduzidas pela International Board, especialmente nas últimas seis décadas, como substituições de jogadores, sistema de cartões amarelos e vermelhos e vídeo-arbitro.

Na próxima sesta sexta-feira, em princípio, será dado mais um passo, com a adição de uma regra temporária para fazer até cinco substituições por equipa e por jogo, além de uma sexta no caso de prolongamento.

A evolução das regras do futebol

- 1958: primeira substituição

Em 1958, foi autorizada a possibilidade de realizar uma substituição no decorrer do jogo, embora inicialmente o guarda-redes e o jogador de campo só pudessem ser trocados em caso de lesão. Foi preciso esperar até ao Mundial de 1970, no México, para que houvesse a autorização de duas substituições por equioa e por jogo durante o torneio.

- 1967: primeira substituição tática

A primeira substituição de um jogador por decisão tática de um treinador também foi autorizada. A partir de então as substituições deixam de ser feitas somente devido a lesões.

- 1970: primeiros cartões

O Campeonato do Mundo de 1970 no México marca a introdução do cartão amarelo para a primeira infração e do cartão vermelho para expulsar um jogador. Desde então, esse sistema foi consolidado e mais tarde usado por outros os desportos.

- 1974: desempate por penaltis

Os penaltis nas finais dos Mundiais de futebol são introduzidos para a edição de 1974 na Alemanha, para desempatar uma partida após a prolongamento. O primeiro jogo a ser desempatado por grandes penalidades num mundial de futebol aconteceu em 1982 em Espapanha, quando a antiga Alemanha Ocidental eliminou a França nas meias-finais (5-4 nos penaltis após um empate 3-3 no tempo regulamentar). O primeiro torneio internacional a ser decidido na disputa de penaltis foi a Europeu de 1976 entre as antigas Checoslováquia e a Alemanha Ocidental (5-3, após um empate em 2-2). A sessão foi marcada pelo surgimento da famosa 'Panenka', nome do jogador checo que marcou um penalti com uma 'picadinha' pela primeira vez.

- 1992: terceira substituição autorizada

Foi autorizada uma terceira substituição em cada equipa, mas somente em caso de lesão do guarda-redes.

- 1992: proibição de passar a bola com os pés para as mãos do guarda-redes

Numa linha contínua na procura por um futebol mais ofensivo, o Conselho Internacional (International Board, em inglês) proíbe que os guarda-redes possam agarrar com as mãos os passes voluntários dos jogadores de sua equipa. A medida foi recebida no início com algum ceticismo, mas a FIFA explica que ela teve "um impacto positivo no jogo bonito".

- 1992: 'Golo de Ouro', até 2004

A regra do 'Golden Goal' foi usada para decidir um jogo que estava na prolongamento, através da 'morte súbita': a primeira equipa a marcar nessa meia hora adicional ganhava o jogo, que era concluído naquele momento. A final do Europeu de 1996, foi assim vencida pela Alemanha (2-1 no prolongamento contra a República Checa). Graças a essa regra, a França venceu, por exemplo, os oitavos de final do Campeonato do Mundo de 1998 (1-0 contra o Paraguai) em casa, onde mais tarde se sagraria campeã. E a seleção francesa também venceu a final (2-1 contra a Itália) do Euro de 2000 na morte súbita. O 'Golden Goal' foi retirado em 2004.

- 1995: terceira substituição sem restrições

A terceira substituição é autorizada, desta vez sem restrições, no mesmo nível que as outras duas.

- 2012: tecnologia da linha de golo

É autorizada a "Goal Line Technology", a tecnologia da linha de golo, para determinar com a ajuda de sensores e câmeras se uma bola ultrapassou por completo a linha do golo ou não, e dessa forma avisar o árbitro.

- 2016: Vídeo-árbitro

O primeiro uso do vídeo-árbitro (VAR) ocorreu na fase de testes numa semifinal do Mundial de Clubes. Foi formalmente autorizado pelo Conselho Internacional (International Board) em março de 2018. O VAR foi usado no Campeonato do Mundo de 2018 na Rússia e depois espalhou-se pelos principais campeonatos do planeta.

- 2018: quarta substituição na prorrogação

Foi autorizada uma quarta substituição por equipa, mas somente em caso de prolongamento. A regra é aplicada pela primeira vez no Mundial de 2018.

- 2020: cinco substituições por partida?

Esta regra foi pensada para o regresso das competições após a longa interrupção devido à pandemia da COVID-19. A International Board poderá autorizar cinco substituições durante o tempo regulamentar e uma sexta eventual em caso de prolongamento. O objetivo é aliviar o esforço físico dos jogadores, já que se espera um aumento no ritmo das partidas e, com isso, o risco de lesões.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.