A Ultramarina de São Nicolau recebe no domingo o Sporting da Praia, na primeira mão da final do campeonato em Cabo Verde, um desfecho polémico numa prova que terá novo vencedor cinco anos depois, quebrando a hegemonia do Mindelense.

O jogo da primeira mão da final do nacional de futebol cabo-verdiano está marcado para às 16:00 de domingo, no Estádio Orlando Rodrigues, no Tarrafal de São Nicolau.

Enquanto a Ultramarina irá disputar a sua terceira final, depois de 1996 e 2003, e procura vencer a prova pela primeira vez, o Sporting da Praia, que eliminou a Académica do Porto Novo nas meias-finais, tentará vencer cinco anos depois e pela 12.ª vez na sua história.

Caso vença, os campeões de Santiago Sul reforçam o seu estatuto de segundo clube mais titulado de Cabo Verde, depois do Mindelense, que ganhou a prova por 19 vezes.

Os atuais campeões regionais de São Vicente, venceram cinco dos últimos seis campeonatos, mas este ano viram a sua hegemonia quebrada.

Mas isso após a maior polémica do campeonato cabo-verdiano, que começou no passado mês de junho, quando o Mindelense não conseguiu viajar a tempo para São Nicolau, onde iria jogar as meias-finais com a Ultramarina.

Depois de dois adiamentos em quatro dias, na terceira data prevista não apareceram as chaves para abrir os portões do estádio em São Nicolau e não houve jogo novamente.

A Federação Cabo-verdiana de Futebol (FCF) instaurou um processo disciplinar à Ultramarina, mas o Conselho de Disciplina (CD) considerou "improcedente" a queixa, concluindo que não ficou provada que o clube teve intenção de esconder as chaves do estádio.

O Mindelense apresentou um recurso, mas o Conselho de Justiça (CJ) da FCF negou provimento ao mesmo.

Entretanto, mesmo sem se realizar o jogo da primeira mão em São Nicolau, a FCF marcou o da segunda mão em São Vicente, em que a Ultramarina venceu o Mindelense por 2-0.

Mais de um mês depois, a federação anulou o jogo e mandou repetir a eliminatória, prorrogando a época desportiva em Cabo Verde, que deveria terminar no dia 31 de julho.

Mas Mindelense não conseguiu reunir o número suficiente de jogadores para viajar para São Nicolau e não compareceu no jogo, tendo sido penalizado com derrota na partida, multa de 136 euros, eliminação da competição e consequente apuramento da Ultramarina para a final.

A decisão não agradou ao Mindelense, com o presidente do clube, Daniel Jesus, a estranhar o facto de ter sido tomada sem a devida instauração de um processo disciplinar à sua equipa, pela não comparência no jogo, tal como aconteceu na altura com a Ultramarina.

Por isso, o dirigente garantiu que o clube que dirige vai recorrer da decisão e impugnar o campeonato cabo-verdiano, por considerar que se trata de "um atropelo aos regulamentos".

Este caso insólito e polémico levou as associações regionais a "forçarem" uma assembleia geral extraordinária para analisar a situação da modalidade no país e pedir a demissão do presidente da FCF, Vítor Osório.

A assembleia geral, a pedido de nove das 11 associações regionais, e que está a ser aguardada com grande expectativa no país, foi marcada para hoje, na cidade da Praia, um dia antes da realização do jogo da primeira mão da final.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.