O Uruguai, recordista de títulos na Copa América em futebol, entrou domingo em ‘grande’ na edição 2019, ao golear o Equador, cedo reduzido a 10 unidades, por 4-0, num jogo sem história do Grupo C, em Belo Horizonte.

A formação comandada pelo veterano Óscar Tabárez começou bem cedo a ‘escrever’ o triunfo, com um golo logo aos seis minutos, de Nicolas Lodeiro, e ficou com a vida muito mais facilitada a partir dos 24, com o vermelho direto mostrado a José Quinteros.

Com mais um jogador, os uruguaios deixaram tudo resolvido ainda na primeira parte, com golos das suas grandes figuras, os ponta de lança Edinson Cavani, aos 33 minutos, e Luís Suárez, aos 44, para, na segunda, Arturo Mina marcar na própria baliza, aos 78.

Os uruguaios marcaram logo na primeira ocasião, aos seis minutos, com Suárez a centrar da direita e Lodeiro a parar no peito, passar um defesa e atirar colocado para junto do poste esquerdo, fora do alcance de Alexander Domínguez.

Em vantagem, o Uruguai assumiu o comando e, a partir dos 24 minutos, ficou a jogar contra uma equipa reduzida a 10 unidades, depois de o árbitro consultar o VAR e trocar o amarelo que havia mostrado a Quinteros pelo vermelho, por carga sobre Lodeiro.

Com mais um, o jogo ficou completamente desequilibrado e, aos 33 minutos, Cavani, que quase marcara aos 27 e 32, faturou de forma acrobática, após um canto e cabeceamentos de Lodeiro e Godín.

Ainda antes do intervalo, aos 44 minutos, e depois de um falhanço de Nandéz, Suárez, só, ao segundo poste, marcou o terceiro, em mais um canto, com o ‘omnipresente’ Lodeiro a marcar na esquerda e Godín a desviar de cabeça.

Com tudo resolvido, a segunda parte não teve história, até porque o Uruguai desacelerou e limitou-se a controlar o jogo, mantendo o Equador longe da sua baliza, só chegando ao quarto, aos 78 minutos, devido a uma infelicidade de Mina.

Antes, em jogo do Grupo B, no Maracanã, o Qatar cumpriu o seu primeiro encontro de sempre na Copa América e logrou um empate a dois golos face ao Paraguai, ainda mais valorizado pelo facto de os campeões asiáticos em título terem estado a perder por 2-0.

Os ex-benfiquistas Óscar Cardozo, aos quatro minutos, de grande penalidade, e Derlis González, já na segunda parte, aos 56, faturaram para os paraguaios, enquanto Almoez Ali, aos 68, e Khoukhi Boualem, aos 77, marcaram para o Qatar.

O encontro começou, praticamente, com o golo dos paraguaios, apontado por Cardozo, que ‘fuzilou’ o guarda-redes asiático com o seu pé esquerdo, na transformação de um penálti, após um corte com a mão de Pedro Correia, jogador formado no Benfica.

Até ao intervalo, o Qatar reagiu, porém, da melhor maneira e construiu várias oportunidades claras para marcar, mas Al Heidos falhou à boca da baliza, aos 16 minutos, e Albdulaziz, aos 35, e Almoez, aos 45+1, isolados, remataram contra o guarda-redes.

Na segunda parte, os paraguaios voltaram a entrar por cima e, depois de um golo anulado a Cardozo, aos 51 minutos, por fora de jogo, Derlis González, com um grande remate frontal de fora da área, apontou mesmo o segundo tento dos sul-americanos, aos 56.

O jogo parecia resolvido, mas o Qatar foi, desta vez, muito eficaz e logrou restabelecer o empate, com um ‘tiro’ de fora da área de Almoez, ainda desviado por um defesa, aos 68 minutos, e com um tento de Boualem, aos 77, isolado por Akram.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.