O detentor do título River Plate deu terça-feira um passo importante rumo à final da edição 2019 da Taça dos Libertadores em futebol, ao vencer em casa o rival Boca Juniors por 2-0, na primeira mão das meias-finais.

O colombiano Santos Borré, aos sete minutos, de grande penalidade, e Nacho Fernández, aos 70, apontaram os tentos dos ‘milionários’, que, no ano passado, tinham batido os ‘xeneizes’ por 3-1, após prolongamento, na segunda mão da final, em Madrid.

Desta vez, o autocarro do Boca Juniors chegou sem problemas ao Monumental de Núñez, onde o River, com sete repetentes do Bernabéu, foi quase sempre superior ao Boca, que só replicou dois jogadores do ‘onze’ de 09 de dezembro (Andrada e Izquierdoz).

Ainda assim, os forasteiros, tiveram as suas oportunidades, a mais clara por Capaldo, que, aos 43 minutos, falhou de forma incrível, depois de grande jogada de Ábila. Num dia infeliz, acabou expulso, por vermelho direto, aos 90+7.

O ‘onze’ de Marcelo Gallardo conseguiu manter o ‘nulo’ na sua baliza e parte com grande vantagem para o jogo da segunda mão, em 22 de outubro, no La Bombonera, onde, em 2018, empatou a dois no primeiro jogo da final.

A formação da casa entrou a dominar e conquistou um penálti logo aos três minutos, numa falta de Más sobre Borré que o arbitro brasileiro Raphael Claus só descortinou depois de consultar as imagens do videoárbitro.

Os jogadores do Boca protestaram muito, mas, aos sete minutos, o River adiantou-se mesmo, por Santos Borré, que atirou a meia altura, para o meio da baliza.

O golo madrugador dos ‘milionários’ nada mudou, com os anfitriões a continuarem por cima e os ‘xeneizes’ a apostarem mais no contra-ataque e a assustarem aos 18 minutos, num remate perigoso de Mac Allister, após roubo de bola.

Por seu lado, o River Plate só voltou a criar perigo aos 42 minutos, num remate de Borré detido superiormente por Andrada, para, no minuto seguinte, o Boca perder ocasião enorme, por Capaldo, que atirou para as ‘nuvens’ brilhante trabalho de Ábila.

Até ao intervalo, voltou a ser Andrada a brilhar, em resposta a um livre do uruguaio De La Cruz, aos 45 minutos.

Para a segunda metade, o River voltou a entrar melhor e ameaçou o segundo, num centro de Montiel que esbarrou no poste direito, aos 55 minutos, e depois, aos 61, através de um centro de De La Cruz que quase resultou num autogolo.

A insistência dos locais acabou por dar frutos aos 70 minutos, por intermédio de Ignacio Fernández, que se antecipou à defesa do Boca, à entrada da pequena área, dando a melhor sequência a um centro da direita de Matías Suárez.

O treinador do Boca Juniors, Gustavo Alfaro, que já tinha trocado Soldano por Tevéz (55 minutos), ainda apostou em Salvio (72) e Zarate (77), mas, até final, o terceiro tento do River Plate esteve sempre mais eminente do que o primeiro dos forasteiros.

As meias-finais da Taça Libertadores prosseguem hoje, com a receção do Grêmio ao Flamengo, do português Jorge Jesus, num embate da primeira mão marcado para Porto Alegre.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.