Marcelo Gallardo conseguiu apurar o seu River Plate para mais uma final. Apesar de ter perdido em casa do rival Boca Juniors por 1-0, os 'millonarios' fizeram valer o resultado de 2-0 na primeira-mão para marcar presença na final da Taça Libertadores da América, agendado para 23 de novembro em jogo único em Santiago, no Chile. Esta foi a quarta vez que o River Plate de Gallardo afastou o Boca Juniors em provas a eliminar.

O River Plate  é a primeira equipa, depois dos brasileiros do São Paulo, em 2005 e 2006, a ‘bisar’ a presença na final da ‘Champions’ da América do Sul. Agora, o objetivo do River Plate passa por repetir o feito do Boca Juniors, a última equipa que logrou revalidar o cetro, com os triunfos de 2000 e 2001, e também o conjunto que bateu na final do ano passado, resolvida em Madrid.

Desde que chegou ao comando do River Plate em 2014, Marcelo Gallardo ganhou sete títulos internacionais (duas Libertadores, três Supertaças Sul-Americanas, uma Taça Sul-Americana). Este estratega a quem chamam de 'Napoleão' na Argentina, é um mestre em jogos a eliminar. Em 2018 foi considerado o Melhor Treinador da América Latina, após levar o seu River ao título de campeão na Libertadores, disputado em Madrid, Espanha.

O treinador de 43 anos é um caso raro na América do Sul e no futebol moderno. É muito difícil encontrar um técnico que esteja há tanto tempo num clube. Iniciou a sua carreira de treinador no Uruguai e foi logo campeão na primeira época no Nacional de Montevideu em 2012, emblema onde terminou a carreira de jogador em 2011.

Chegou ao River Plate em 2014, num momento conturbado dos 'milionarios', (acabado de voltar da segunda divisão) um clube que tinha descido ao 'inferno' ao passar pela humilhação de ter descido de divisão na Argentina. A nível interno, conta apenas com duas Taças e uma Supertaça Argentina como técnico do River. Mas é nas provas continentais que tem dado cartas, onde se tem-se mostrado ser um excelente estratega em jogos a eliminar, o que lhe valeu a alcunha de 'Napoleão', pela forma como prepara as suas equipas para aproveitar as debilidades dos adversários.

River Plate vence 'superclássico' em Madrid e conquista a Taça Libertadores
River Plate vence 'superclássico' em Madrid e conquista a Taça Libertadores
Ver artigo

E logo no primeiro no no clube, em 2014, levou o River Plate ao título de campeão da Taça Sul-americana, ao vencer os colombianos do Atletico Nacional na final. No ano seguinte conquistou a Taça Libertadores frente aos mexicanos do Tigres. No mesmo ano conquistou também a Copa Suruga Bank, competição entre o vencedor da Taça Sul-americana e o vencedor da Taça do Japão. Terminou o ano de 2015 da melhor maneira, vencendo ainda a Supertaça Sul-americana, ao derrotar o San Lorenzo na final. No ano seguinte, voltaria a revalidar este título entre o campeão da Libertadores e da Sul-americana.

Marcelo Gallardo voltaria às conquistas internacionais em 2018, ao guiar o seu River Plate ao título de campeão da Taça Libertadores, numa final conturbada com o seu arquirrival Boca Juniors, disputado em Madrid, Espanha, depois dos incidentes na Argentina. Este ano arrancou com a conquista da Supertaça Sul-americana, (vitória frente ao Athletico Paranaense) e pode juntar mais um título, se vencer a final da Taça Libertadores, onde terá pela frente ou o Flamengo de Jesus ou o Grêmio de Porto Alegre.

Marcelo 'Muñeco' Gallardo, o Senhor 'Mata mata'

O homem a quem também chamam de 'Muñeco' tem feito excelentes campanhas na Libertadores. Se em 2012, com o Nacional do Uruguai, não passou da primeira fase da prova (duas vitórias, três derrotas), nos anos seguintes deixou a sua marca. Campeão em 2015 (com cinco vitórias, seis empates e duas derrotas), oitavos-de-final em 2016 (quatro vitórias, dois empates e duas derrotas), meias-finais em 2017 (sete vitórias, seis empates, uma derrota) e campeão em 2019 com três vitórias, sete empates e uma derrota). Em 2016 e 2017 não conquistou qualquer título internacional mas venceu a Taça da Argentina nesses dois anos, o que faz dele o 'rei' do 'mata-mata', como dizem os brasileiros.

Todo este trabalho, todas estas conquistas tem sido conseguidas mesmo com muitas mudanças nos planteis. Da primeira-final da Libertadores de 2015 até a segunda, de 2018, apenas dois jogadores foram titulares em ambas: Maidana e Pozio. O terceiro, Mayada, foi suplente utilizado na final de Madrid, ganha ao rival Boca Juniors.

Gallardo inspira-se nas ideias de Marcelo Bielsa com quem trabalhou na seleção da Argentina mas também de Alejandro Sabadella, que foi assistente de Daniel Passarela na seleção das 'Pampas'.

É um técnico que consegue entender o lado dos jogadores e que tira o máximo de todos. "É um treinador que gere muito bem o grupo, lê e interpreta muito bem o momento de cada atleta. Creio que toda a essa inteligência, essa liderança natural, faz com que os jogadores elevem o seu nível para o melhor funcionamento da equipa", explicou Ariel Rojas ao 'Folha de São Paulo'. Rojas foi campeão da Taça Sul-americana com o River de Gallardo em 2014. Atualmente é treinador do Atletico Tucumán da Argentina.

Com tantos títulos, é uma questão de tempo até Marcelo Gallardo chegar à Europa. Até já foi falado como possível substituto de Valverde no Barcelona.

Da Catalunha já chegaram os elogios de Guardiola: "É tão incrível, que não consigo entender como Gallardo não disputa os troféus de melhor do mundo", disse o treinador do Manchester City.

Ídolo no River Plate, o clube argentino prometeu erguer uma estátua de sete metros a Marcelo Gallardo na entrada do Monumental Nuñes.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.