O Ministério do Desporto iraniano anunciou hoje ter irradiado da seleção nacional de futebol, orientada pelo português Carlos Queiroz, dois futebolistas que ultrapassaram a ‘linha vermelha’ ao defrontar uma equipa israelita, ao serviço de um clube grego.

“Ehsan Haji Safi e Masoud Shojaei já não têm lugar na seleção nacional do Irão, porque eles ultrapassaram a linha vermelha do país", disse o ministro-adjunto dos Desportos, Mohammad Reza Davarzani, à televisão estatal IRIB.

Ambos os jogadores do Panionios recusaram jogar em finais de julho a primeira mão da terceira pré-eliminatória da Liga Europa, frente ao Maccabi Tel Aviv, derrota por 1-0 em Israel, mas participaram no encontro da segunda mão, na Grécia, com novo desaire por 1-0.

Na altura, o Ministério do Exterior de Israel teveu rasgados elogios na sua conta na rede social Twitter aos futebolistas iraniano Ehsan Haji Safi e Masoud Shojaei, dos gregos do Panionios, por terem quebrado um tabu ao defrontarem o Maccabi Tel Aviv.

“Nos últimos 38 anos [desde a criação da República Islâmica], nenhum dos nossos atletas concordou em defrontar representantes de Israel. Até mesmo nos Jogos Olímpicos", disse o ministro-adjunto dos Desportos, Mohammad Reza Davarzani.

Teerão acredita que participar num encontro desportivo contra atletas israelitas, seja em que situação for, equivale a reconhecer que Israel é um estado, o que contraria a causa palestiniana.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.