O diretor desportivo do Lille, Luís Campos, considerou hoje “uma injustiça” o castigo aplicado ao futebolista português Bernardo Silva, do Manchester City, por alegado ato racista.

O jogador português foi castigado com um jogo de suspensão pela Federação Inglesa (FA) devido a uma brincadeira no Twitter com Mendy, em que o internacional português comparou o companheiro de equipa ao boneco Conguito.

À margem no evento “World Scouting Congress”, Luís Campos, que trabalhou com os dois jogadores no Mónaco, considera que “é uma injustiça enorme” o castigo a Bernardo Silva e que “só pode ter sido castigado por alguém que não conhece o que é um balneário, o que é uma equipa de futebol”.

“A relação do Bernardo com o Mendy sempre foi uma relação muito especial, de verdadeira amizade, e hoje ver o Bernardo castigado, sinceramente, choca-me porque nunca gostei de radicalismos e acho que o futebol não precisa de radicalismos e esta é uma decisão radical que nada tem a ver com racismo. O que o Bernardo fez nada tem a ver com racismo. E, portanto, é uma decisão extremamente injusta", disse.

Para Luís Campos, "se o mundo do futebol se indignou com atos de racismo, também se deve indignar com um jogador que é tudo menos racista ser castigado por algo que não tem nada de racismo".

"Quando se toma uma decisão destas deve pensar-se no ser humano. E neste caso acho que o Bernardo é vítima de algo tão forte como o racismo, porque é castigado por algo que não tem nada a ver. Eu condeno tanto o racismo como aqueles que acabam de castigar o Bernardo", finalizou.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.