Um erro de um laboratório na Bulgária, que deu negativo a um jogador que estava, afinal, infetado por COVID-19, levou a que mais 20 pessoas acabassem infetadas.

O laboratório responsável por efetuar os testes informou a Federação Búlgara de Futebol de que todos os testes pré-jogo tinham dado negativo e o jogador em causa, o defesa Martin Kavdanski, acabou por alinhar de início pela sua equipa, o Tsarsko Selo. O resultado foi que quatro colegas de equipa e 16 adversários acabaram, também eles, infetados.

O laboratório veio entretanto a público reconhecer o erro, afirmando que afinal o teste a Kavdanski tinha dado positivo, revelou o clube do jogador, em comunicado, acrescentando que os restantes jogadores agora infetados estão agora em quarentena.

De acordo com a imprensa local, também o dono do clube, Stoyne Manolov, terá ficado infetado.

Já o Cherno More, adversário do Tsarsko Selo nesse encontro, confirmou 16 casos positivos de COVID-19 no clube. "Infelizmente, os testes revelaram 16 amostras positivas. Os 16 jogadores estão em quarentena. Informámos a comissão médica da federação e aguardamos novas instruções", pode ler-se no comunicado.

O sétimo classificado do campeonato búlgaro explicou que os seus positivos se dividem entre o plantel, que conta com o português Jordão Cardoso, e a equipa técnica.

Apesar dos 16 testes positivos, o encontra-se a postos para jogar o seu próximo jogo na Liga búlgara, em casa, frente ao Arda Kardzhali, já esta terça-feira, devendo apresentar vários atletas dos escalões jovens.

Na Bulgária, até esta segunda-feira, havia 5740 casos confirmados de COVID-19 e 246 vítimas mortais do novo coronavírus.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 534 mil mortos, incluindo 1.620 em Portugal.

*Artigo atualizado às 16h08

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.