Os jogos da 25.ª jornada do campeonato angolano de futebol, na quarta-feira, serão antecedidos por um minuto de silêncio em memória do antigo internacional angolano Quinzinho, que morreu na segunda-feira em Portugal, vítima de ataque cardíaco.

A decisão foi tomada hoje pela Federação Angolana de Futebol (FAF), depois de conhecida a morte, aos 45 anos, do também antigo avançado do FC Porto, e que passou por vários clubes portugueses, angolanos e espanhóis.

Num comunicado, a FAF lamenta a morte do antigo atacante e apresenta à família "sentidos pêsames pela perda", ainda jovem, daquele que foi "um dos mais citados atletas do ASA [Atlético Sport Aviação] e da seleção nacional", que representou por 25 vezes e pela qual apontou nove golos.

"Quinzinho e a sua geração foram irrepreensíveis embaixadores desportivos da República de Angola e cujo contributo permanecerá histórico", lê-se na nota.

Também o Governo angolano lamentou a morte de José Alberto Silva, conhecido por Quinzinho, indicando, num comunicado do Ministério da Juventude e Desportos, estar "consternado" com o "infausto acontecimento".

"Fica na memória coletiva dos angolanos as recordações de um homem exemplar e autor do primeiro golo de Angola em fases finais de um Campeonato Africano das Nações", refere a nota.

Natural de Luanda (Angola), Quinzinho fazia a habitual corrida de manutenção próximo de Alverca (arredores de Lisboa), quando se sentiu mal e teve uma paragem cardíaca.

O antigo futebolista notabilizou-se no ASA e também no FC do Porto pela sua velocidade e capacidade de remate, bem como pela seleção nacional, pela qual marcou o primeiro golo na estreia de Angola numa fase final da Taça das Nações Africanas (CAN), em 1996, na África do Sul.

O ex-avançado representou o FC Porto nas épocas de 1995/96 e de 1998/99, tendo, na sua carreira em Portugal, jogado também na União de Leiria, Rio Ave, Farense, Desportivo das Aves, Alverca e Estoril-Praia. Como preparador físico, trabalhou recentemente no Vilafranquense.

Quinzinho é pai de Xande Silva, ex-jogador do V. Guimarães, internacional sub-21, que atualmente representa o West Ham, de Inglaterra.

Hoje, num despacho da agência noticiosa angolana, Angop, que cita familiares, é indicado que o corpo de Quinzinho será sepultado em Lisboa, onde também está enterrado o da mulher, cumprindo o desejo do pai.

Quinzinho terminou a carreira em Angola, onde, em 2017, foi técnico-adjunto do Recreativo do Libolo, clube do ‘Girabola’.

Além do ASA, em Angola jogou igualmente pelo Recreativo da Caála e depois evoluiu em vários clubes na China. Ao longo da carreira desportiva, fez um total de 194 jogos e marcou 53 golos, segundo dados avançados pela Angop.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.