Em jogo de acerto da oitava jornada, o maior dérbi do futebol angolano entre 1.º de Agosto e Petro de Luanda, vai agitar, este sábado, o GirabolaZap2018/19, no clássico 77 no historial dos confrontos entre essas duas formações mais tituladas do país.

A disputar-se a partir das 16 horas, no estádio 11 de Novembro, as atenções dos seguidores do desporto-rei em Angola estarão viradas para este desafio, cujo desfecho está longe de ser decisivo para as aspirações dos emblemas, candidatos assumidos à conquista do título.

Embora ainda tenha muito campeonato pela frente, os dois colossos chegam ao frente-a-frente focados na obtenção dos três pontos, no intuito de terminarem na primeira posição, ao fim da primeira volta da competição.

Os 'agostinos' ocupam a primeira posição, com 30 pontos, mais três que os 'petrolíferos', em terceiro. Mas a turma do eixo-viário ainda tem jogos em atrasos com o Desportivo da Huíla e Sagrada Esperança, que em caso de vitória os poderá catapultar para a liderança da prova.

As duas formações vêm de triunfos motivadores na ronda anterior. Os pupilos de Dragan Jovic derrotaram o Kabuscorp do Palanca, por 2-0, ao passo que os comandados de Beto Bianchi superaram o Progresso do Sambizanga, por 3-0, embora tenham saídos derrotados nas Afrotacas, em Argel, frente ao Hussein Dey da Argélia, por 1-2, em desafio da primeira jornada do grupo D da Taça da Confederação.

Apesar de ainda não perder na competição, o 1.º de Agosto vai se rotulando como 'rei' dos empates (seis no total), correspondendo a uma perda de doze pontos, o que pode ser comprometedor para as suas aspirações nas contas finais. O Petro também não foge muito do seu adversário: Empatou em três ocasiões e perdeu uma vez (com FC Bravos do Maquis, por 0-2), ou seja, nove pontos já desperdiçados, que igualmente os podem fazer muita falta, nas contas para o título.

Para o duelo deste sábado, os 'militares' provavelmente já poderão contar com Ary Papel, afastado dos relvados há três jornadas, por lesão. O médio atacante já vem treinando com o resto do grupo e poderá ser uma aposta no onze.

Quem também estará de regresso, mas do lado tricolor, é o médio Job, que falhou os últimos jogos por ressentir de uma lesão nas costas.

Mas os 'condimentos' para este dérbi não se resumem apenas nesses dois jogadores: Nos militares, a 'armada' deve passar pela tranquilidade da defesa, começando pelo seu guarda-redes Tony Cabaça, que tem sido dos melhores nesta posição, quer a nível interno quer a nível africano, exemplo disto foi a sua distinção como melhor neste lugar na Liga dos Campeões, edição 2018, em que o 1.º de Agosto foi eliminado nas meias-finais.

O quarteto defensivo composto por Dany Massunguna, Bobó, Isaac e Paizo tem servido para as encomendas. Este sector mais recuado sofreu apenas três golos, em 14 jogos, curiosamente numa mesma partida, no empate com o Sagrada Esperança.

A partir do meio-campo, podem explorar a capacidade desequilibradora de Nelson Luz e o faro de golo de Mabululu, avançado que dá sinais de estar preparado para responder os anseios dos seus exigentes adeptos. Já vai com seis golos, sendo o segundo melhor marcador, atrás de Chico (FC Bravos do Maquis), com sete.

Nos 'tricolores', as despesas do jogo devem passar pela serenidade de Gerson, entre os postes, o poder de organização de Herenilson, a habilidade e rapidez de Vá e o instinto 'matador' do avançado brasileiro Tiago Azulão.

Dominador nos últimos anos, o 1.º de Agosto procura o seu quarto título consecutivo e o 13.º no geral, enquanto o Petro, apesar de ser o 'papão', com quinze conquistas, tenta resgatar o troféu perdido há nove anos. Nos jogos entre si, a turma do Eixo-viário leva vantagem de 31 vitórias, contra 24 dos militares. Empataram ainda em 21 ocasiões.

No Girabola passado, os dois conjuntos empataram a zero, na primeira volta, enquanto na segunda a equipa afecta às Forças Armadas Angolanas venceu por 2-0.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.