Royston Drenthe, antigo jogador do Real Madrid, teve algumas revelações surpreendentes sobre a sua passagem pelo clube merengue. Algumas dessas histórias foram disponibilizadas no jornal espanhol 'Marca'.

O jogador holandês recorda uma infância difícil.

"O meu pai foi assassinado quando tinha três anos. A minha mãe tentou esconder-me durante muito tempo esse facto para me proteger."

Em seis jogos realizados no Europeu de sub-21, começaram a chover ofertas e o jogador acabou por assinar pelo Real Madrid a troco de 14 milhões de euros.

"16 equipas queriam contratar-me. Falei com o presidente do Barcelona, mas quando falei com o Real Madrid não quis ouvir mais ninguém", revelou.

Desde cedo os problemas no emblema merengue começaram a acumular-se. E não foi difícil o polivalente jogador mergulhar na vida noturna madrilena.

"Madrid é uma cidade com grande charme, com muitos restaurantes. Há muita festa, mulheres bonitas. E eras jovem, jogador do Real Madrid, tantas tentações. Um dia fui com amigo ao casino e aproximaram-se de nós mulheres muitos bonitas. Acabámos por acabar os quatro num hotel, mas no final apareceu-nos a conta. Pediram-nos 1000 euros a cada. Não tinha a noção que tinha que pagar.

Drenthe recordou ainda os problemas que teve com o então técnico do Real Madrid, o português José Mourinho.

"Um dia ele [Mourinho] chega-se ao pé de mim e diz que eu tenho que sair do Real Madrid. Isto um dia antes do fecho do mercado."

Sem vida fácil no Real Madrid, o holandês agora com 32 anos recorda também um episódio com Saviola, antigo jogador do Benfica, num treino do Real Madrid.

"Chamei-o várias vezez para me passar a bola: 'Saviola, Saviola, Saviola! Algo normal num treino. Mas ele parou e rematou contra mim. Disse-me que fui muito agressivo a pedir a bola."

Royston Drenthe representa o Kozakken Boys da holanda onde ainda não realizou qualquer jogo.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.