O processo entre Neymar e o Barcelona sobre o bónus de renovação do jogador no clube catalão, que deveria começar na quinta-feira, foi adiado para 27 de setembro, informaram autoridades judiciárias nesta segunda-feira.

De acordo com um comunicado do tribunal superior da Justiça da Catalunha, "o processo que deveria começar em 21 de março no tribunal social n.º 15 de Barcelona entre Neymar da Silva Santos Júnior e o FC Barcelona foi suspenso. Uma nova data foi marcada para 27 de setembro próximo".

As razões do adiamento não foram informadas.

Os jornais espanhóis especulam que o processo contará com a presença de Neymar, assim como com o testemunho do presidente do Paris Saint-Germain, Nasser Al-Khelaïfi.

Protagonista da transferência mais cara da história do futebol em agosto de 2017 - 222 milhões de euros para trocar o Barcelona pelo PSG -, o brasileiro deixou vários processos judiciais em Espanha, entre elas esse litígio com seu antigo clube.

Depois da saída para a capital francesa, o Barcelona recusou-se a pagar a Neymar os 26 milhões de euros combinados em 2016 como parte do bónus de renovação do contrato entre ambos.

O clube também entrou com uma ação contra o atleta por quebra de contrato, exigindo o reembolso do bónus que já lhe havia sido entregue e de 8,5 milhões de euros em "danos".

Neymar respondeu com uma queixa contra o seu clube anterior na Câmara de Resolução de Controvérsias da FIFA para reivindicar o pagamento desse valor. O órgão arquivou o caso em fevereiro de 2018, porém, alegando que já havia outras instâncias judiciais estudando o caso.

Na semana passada, o jornal espanhol "El Mundo" afirmou que a polémica operação também está no radar do Fisco espanhol.

Segundo o jornal, o fisco solicitou ao tribunal encarregado do litígio entre Neymar e o Barça todas as informações sobre essas transações para investigar se o jogador, residente fiscal na Espanha em 2017, declarou os seus impostos.

A empresa NR Sports, que administra a carreira do astro, emitiu um comunicado, reconhecendo que o Fisco espanhol quer manter-se informado "sobre o desfecho dos factos" desta audiência, mas descartou que o seu representado esteja a ser investigado.

Além disso, alega a empresa, o montante da transferência para o PSG estava incluído na declaração de rendimentos enviada para o Fisco espanhol em 2018 referente ao exercício anterior.

Nos últimos anos, a Receita espanhola tem mantido o futebol na mira. Estrelas do futebol, como Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, foram condenados por sonegação fiscal.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.