O ex-benfiquista Rodrigo, autor do golo que hoje permitiu ao Valência bater em casa o Betis (1-0) e qualificar-se para a final da Taça do Rei de futebol, acredita que é possível bater o FC Barcelona e Messi.

“É uma grande equipa, a mais regular da Liga, e tem um jogador que marca a diferença, mas os dois jogos que fizemos com eles esta época foram equilibrados e podíamos ter vencido”, lembrou Rodrigo, antevendo a final de 25 de maio, em Sevilha.

Depois do empate a dois golos no Benito Villamarin, precisamente o palco da final, onde esteve a perder por 2-0, o Valência selou hoje a qualificação, com um tento do internacional espanhol, aos 56 minutos.

Rodrigo, que já tinha sido o ‘herói’ dos ‘quartos’, com um ‘hat-trick’ na segunda mão ao Getafe (3-1 em casa, após 0-1 fora), incluindo dois golos nos descontos, pensa que, num só jogo, o Valência tem possibilidades face ao ‘Barça’.

“É uma final e num jogo tudo pode acontecer”, frisou o avançado que representou o Benfica de 2010 a 2014, acrescentando: “Esta é uma temporada muito especial para nós, por ser o ano do centenário do Valência, e vamos dar tudo em Sevilha”.

Em 2018/19, o conjunto ‘che’ empatou 1-1 na receção ao ‘Barça’, com o também ex-benfiquista Garay a adiantar os locais e Messi a empatar e, em Nou Campo, na segunda volta da Liga, o empate foi a dois tentos.

Em 02 de fevereiro, o Valência esteve a vencer por 2-0, com tentos de Kevin Gameiro e Dani Parejo, mas, mais uma vez, Lionel Messi salvou os catalães, com um ‘bis’.

O Valência vai disputar a sua 17.ª final, à procura do oitavo cetro, enquanto o FC Barcelona cumpre a 42.ª final e sexta consecutiva, um recorde, em busca do 31.º título e quinto de ‘rajada’, após os triunfos em 2015, 2016, 2017 e 2018.

O FC Barcelona e o Valência já mediram forças em três finais, com os catalães a vencerem em 1951/52 (4-2) e 1970/71 (4-3) e o conjunto ‘che’ a impor-se em 1953/54 (3-0).

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.