Fernando Santos sentou-se na cadeira da conferência de imprensa disposto, uma vez mais, a não abrir jogo da sua estratégia para o encontro contra a Suíça, referente à final four da Liga das Nações, referindo que não são os jogadores que a determinam.

"A estratégia não passa por nomes. Passa pelo coletivo. Temos 23 jogadores de enorme qualidade. Jogar o jogador A ou B não vai condicionar a estratégia da equipa", disse, esta terça-feira, o selecionador nacional, referindo-se, nomeadamente, a João Félix, acabando mesmo por se alongar neste tema.

"Desde quando é que Portugal não teve de compatibilizar talentos? Não me lembro disso não ter acontecido. Sempre teve de ser feito isso. Não é mais fácil, nem mais difícil. É igual. Portugal sempre teve muitos talentos. Nunca foi um problema para a seleção nacional. Isso é fazermos do passado algo que nunca existiu quando Portugal... Está ali um lado, ali ao meu lado, o João Pinto. Por exemplo. Agora tem muito talento, sim é verdade. Mas daí, dizer que antes os treinadores não tiveram esse problema. Vou recordar um caso. Campeonato da Europa 2004: uma discussão eterna se devia jogar Deco ou Rui Costa. Havia Cristiano, havia Simão, havia Figo... Era gente de grande qualidade. O futebol é isto, agora compete a mim e que tenho a felicidade de 20 jogadores de campo de enorme talento, agora tenho de procurar a melhor equipa para vencer a Suíça. Temos de 20 jogadores de enorme talento", explicou.

Ainda sobre Félix, Fernando Santos disse que se o jogador não tivesse talento, não estaria convocado, desvalorizando ainda os insultos à chegada a Espinho.

"Se não tivesse preparado não estava aqui. Os selecionadores quando convocam os jogadores não pensam na idade. O que nós avaliamos é as suas qualidades e aquilo que fizeram no clube. Isso [assobios] é muito pouco relevante. Não vai em influenciar em nada aquilo que vai ser o jogo com a Suíça. Isso não tem nada a ver com o jogo de amanhã. Os jogadores estão bem dispostos e super motivados. É isso que nós queremos. O resto passa-me ao lado".

Por fim, o selecionador português falou da ambição de ganhar a Liga das Nações, a nova prova de seleções da UEFA.

"Ganhar um título é sempre relevante. As grandes equipas e os grandes jogadores têm sempre fome de ganhar, ganhar e ganhar. Vamos defrontar uma equipa de grande qualidade e que vem para ganhar a prova também. A Suíça está aqui por mérito próprio. Eliminou uma seleção que tem estado na moda que é a Bélgica. Tem jogadores de enorme qualidade. É nisso que temos de estar focados e altamente concentrados. Temos de pensar naquilo que devemos fazer."

Portugal e Suíça disputam o primeiro lugar na final, na quarta-feira, a partir das 19:45, no Estádio do Dragão, no Porto, enquanto Holanda e Inglaterra disputam a segunda vaga, na quinta, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.