O Benfica foi derrotado pelo CSKA por 2-0 na quinta jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões. O conjunto orientado por Rui Vitória estava obrigado a vencer para continuar a sonhar com um apuramento, mas acabou por acumular a quinta derrota em outros tantos jogos na prova. Schenikov e um autogolo de Jardel fecharam o marcador em Moscovo.

A ‘crença’ que não se apresentou em campo

Na antevisão do encontro com a formação russa, Rui Vitória afirmou que havia muita crença e atitude positiva dentro do grupo do Benfica. As palavras do técnico antecipavam uma equipa a entrar forte contra o CSKA para tentar contrariar o mau momento na Liga dos Campeões.

No entanto, a ‘crença’ de Rui Vitória não aparenta ter entrado em campo junto com o onze titular do Benfica. Face à importância do encontro, esperava-se mais dos ‘encarnados’ que surgiram apáticos e sem apresentar argumentos para tentar contrariar o destino de dizer ‘adeus’ à Europa do futebol.

O CSKA chegou ao golo – obtido em fora de jogo - e ganhou mais conforto dentro do relvado. As linhas bem definidas dos russos contrariavam as investidas do Benfica que, na primeira parte, se limitavam a jogadas individuais de Salvio e Diogo Gonçalves a tentar ‘alimentar’ Jonas que, sozinho, dentro da área era um alvo fácil de controlar pelos centrais do CSKA.

O estilo de jogo do Benfica não proporcionava oportunidades perante os russos e o intervalo chegou com apenas um remate perigoso do clube da Luz que Jonas desperdiçou. Em sentido inverso, o CSKA tinha marcado e era perigoso sempre que saia em contra-ataque rápido.

Segundo parte trouxe o golo russo e o controlo dos ritmos de jogo

Na entrada para a segunda parte, os ‘encarnados’ estavam a apenas 45 minutos de dizer adeus às competições europeias. À semelhança da primeira, foi o CSKA que voltou a entrar mais forte e a condicionar qualquer reação esboçada pelo Benfica.

Sem novas ideias, a equipa de Rui Vitória voltou a entrar na ‘teia’ moscovita que ia mantendo controlo sobre os ritmos de jogo. O segundo golo dos russos, numa infelicidade de Jardel, serviu de ânimo para a formação moscovita que praticamente selou o destino do Benfica aos 55 minutos.

Com dois golos de vantagem, a formação da casa baixou as linhas e diminuiu o espaço dado aos ‘encarnados’ que não conseguiram encontrar um tónico que desse mote à reviravolta. Até ao fim, apenas por uma vez o Benfica mostrou que pudesse marcar num livre de Jonas que Akinfeev defendeu com tranquilidade.

Um adeus pré-anunciado

Acaba por não ser uma surpresa que o Benfica tenha sido eliminado na Liga dos Campeões. Os ‘encarnados’ precisam de um conjunto de resultados extremamente complicado e a eliminação já pairava no ar desde a primeira derrota com o Manchester United.

O encontro na Rússia apenas serviu como demonstração de que esta temporada europeia não correu bem ao conjunto de Rui Vitória que somou cinco derrotas em cinco jogos. Falta agora o Basileia, em casa, num encontro para cumprir calendário e evitar fechar a fase de grupos só com derrotas.

A atenção dos jogadores mudou para as competições nacionais. Prova disso mesmo é o discurso de Jonas, Pizzi e Bruno Varela, bem como do próprio Rui Vitória no final da partida com os russos.

Têm a palavra os protagonistas

Rui Vitória, treinador do Benfica

"Não correu bem desde o primeiro jogo, mas há vida para além da Liga dos Campeões. Há um caminho para a frente que é tentar ganhar as competições internas. Sofremos um golo e a equipa tentou o empate que não conseguiu O segundo golo é atípico e tornou mais difícil o nosso trabalho"

Bruno Varela, guarda-rede do Benfica

"Perdemos, não fizemos o melhor dos jogos. Chegar ao fim de cinco jogos na Champions e ter zero pontos não é bom. Temos de nos focar no que aí vem, domingo temos um jogo importante para o campeonato".

Jonas, avançado do Benfica

"É difícil explicar… Estivemos abaixo da nossa qualidade e do que mostramos nos últimos anos. Este ano foi diferente. Infelizmente estamos fora. Vamos esquecer esta competição e pensar em vencer na Primeira Liga que o principal objetivo desta temporada"

Pizzi, médio do Benfica

"Conheço o grupo e temos uma grande equipa com qualidade e mentalidade forte. Vamos continuar a trabalhar nos nossos objetivos. A eliminação não vai abalar em nada a nossa confiança."

Apontamentos

Benfica com pouco ‘poder de fogo’

A equipa de Rui Vitória voltou a ficar em branco num jogo da Liga dos Campeões. Em cinco jogos, os ‘encarnados’ apenas celebraram por uma ocasião e foi logo no primeiro jogo da fase de grupos. Seferovic, frente ao CSKA, marcou o único tento

Jardel para a história…pelos piores motivos

Apesar da derrota, Jardel colocou o seu nome nos registos da UEFA apesar de ser por um motivo negativo. O central marcou um autogolo e aumentou para três, um número recorde na história da Liga dos Campeões

11 anos depois, uma baliza inviolável para Akinfeev

O encontro com o Benfica é o primeiro jogo europeu em 11 anos em que Igor Akinfeev não sofreu golos. O guarda-redes russo tinha essa malapata que terminou com o triunfo desta quarta-feira sobre os ‘encarnados’.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.