A Liga dos Campeões regressa para a conclusão da edição 2019/20 com jogos 'à porta fechada', sem público nas bancadas, e com uma 'final eight', a partir dos quartos de final, jogada em Lisboa, entre os Estádios de Alvalade e da Luz. Já não haverá equipas portuguesas em prova, mas já houve, no passado, uma equipa portuguesa que teve a experiência de disputar uma partida da prova milionária num recinto deserto.

As circunstâncias eram bem diferentes e as razões do encontro à porta fechada eram bem distintas de uma qualquer pandemia, mas em 2005/06, na fase de grupos da Liga dos Campeões, o FC Porto defrontou o Inter de Milão num Giuseppe Meazza vazio de público, fruto de um castigo aplicado pela UEFA aos 'nerazurri' depois de incidentes num encontro frente ao rival AC Milan, nos quartos-de-final da edição anterior da prova.

O FC Porto era, então, orientado pelo holandês Co Adriaanse e, frente a um Inter treinado por Roberto Mancini, onde pontificavam nomes como Luís Figo, Recoba, Veron ou o brasileiro Adriano, entrou em campo com Vítor Baía, José Bosingwa, Pedro Emanuel, Pepe, Marek Čech, Paulo Assunção, Lucho González, Jorginho, Ricardo Quaresma, Alan e Hugo Almeida.

'Fator casa': E tudo a pandemia levou?
'Fator casa': E tudo a pandemia levou?
Ver artigo

E foi precisamente o então ainda bem jovem avançado internacional português a ficar ligado à história desse jogo, com um golo memorável, que durante muito tempo terá ficado na retina de todos os que a ele assistiram...pela televisão.

Especial Liga dos Campeões: Acompanhe todas as decisões com o SAPO Desporto! 

Na transformação de um livre, de muito longe, Hugo Almeida resolveu tentar a sua sorte. Encheu o pé esquerdo e disparou um autêntico míssil. A bola entrou junto ao canto superior direito da baliza à guarda de Júlio César (que anos mais tarde viria a defender as redes do Benfica). Com o estádio deserto, para quem assistia à transmissão televisiva foi possível ouvir, na perfeição, o som de Hugo Almeida a bater na bola no momento do remate e o som desta, instantes depois, a 'beijar' as redes.

O SAPO Desporto esteve à conversa com Hugo Almeida, agora já retirado dos relvados, que recordou esse encontro, o golo e que falou um pouco de como é jogar à porta fechada.

"Era dos primeiros jogos que estava a fazer pelo Porto, ainda por cima por o Inter, que na altura era uma das melhores equipas do mundo, e não era preciso qualquer outro tipo de motivação, porque os níveis de foco estavam ao mais alto nível. Queria era jogar bem, para me poder mostrar numa montra como a Liga dos Campeões", recordou Hugo Almeida", admitindo que, por isso, "não fez muita diferença ter ou deixar de ter adeptos".

Impacto da Champions em Lisboa superará os 50 milhões de euros
Impacto da Champions em Lisboa superará os 50 milhões de euros
Ver artigo

Sobre o golo, que certamente permanecerá para sempre na memória de quem o viu, Hugo Almeida conta que se sentia confiante. "Era das primeiras oportunidades que tinha de jogar pelo FC Porto num jogo daqueles, e logo naquele estádio…estava motivado e senti-me confiante. Percebi que tinha pegado bem na bola...com o estádio vazio, até deu para ouvir a a entrar. Foi um sentimento de alegria muito grande", recorda.

Ao longo da carreira, na Turquia e na Grécia, Hugo Almeida voltou depois a viver a experiência de jogos sem adeptos nos estádios. "É lógico que, tirando esses outros aspetos motivacionais, é complicado jogar sem adeptos nos estádios. Aos jogadores cabe terem os níveis de concentração extremamente elevados, para evitar os deslizes que temos visto. Porque sem adeptos não é fácil manter esses níveis de concentração no máximo e isso faz a diferença", frisa.

O fator psicológico nos jogos disputados sem público é, pois, um aspeto fundamental, na opinião de Hugo Almeida. "O fator psicológico e a concentração são fatores determinantes. São armas importantes e, nalguns jogadores, sem ruído à volta, o foco não será necessariamente o mesmo", acrescenta.

FC Porto acabou derrotado em época para esquecer na Champions, mas para recordar a nível interno

Quanto ao jogo no Giuseppe Meazza, o FC Porto acabou derrotado, por 2-1. Ao golo de Hugo Almeida, apontado logo aos 14 minutos, o Inter respondeu com dois golos na segunda parte, assinados pelo avançado argentino Julio Cruz, o primeiro na transformação de uma grande penalidade e o segundo a oito minutos dos 90. Os 'dragões' teriam uma campanha para esquecer nessa Liga dos Campeões, ficando pelo caminho ainda nessa fase de grupos, ao terminar o respetivo grupo no quarto posto, atrás de Inter, Glasgow Rangers e Artmedia Bratislava.

A nível interno a época seria mais proveitosa para os 'azuis e brancos', que acabariam por se sagrar campeões, sete pontos à frente do Sporting, segundo classificado, e 12 à frente do Benfica, terceiro da tabela. Quanto a Hugo Almeida, então com apenas 22 anos, terminaria a temporada com cinco golos marcados em 38 jogos e rumaria no final da época ao Werder Bremen, onde viria a brilhar a grande altura.

Especial Liga dos Campeões: Acompanhe todas as decisões com o SAPO Desporto! 

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.