Toni, antigo jogador e treinador do Benfica, comentou a atitude de Haris Seferovic na derrota de ontem frente ao Leipzig que se virou para a bancada e mandou calar os presentes.

A lenda dos encarnados defende que o gesto não deveria ter acontecido, mas desvalorizou a atitude do suíço, realçando que são coisas do futebol.

"É uma reação espontânea, que não devia acontecer, mas o momento do golo é um momento único. Como por vezes também saem beijos no emblema ou para os adeptos. Às vezes é uma revolta do jogador com ele próprio. Não há que levar à letra", afirmou Toni, em declarações à Renascença.

Sobre o jogo com os alemães, o antigo treinador das águias diz não compreender as opções de Bruno Lage, que lançou vários jovens no onze inicial, e refere que "houve alterações a mais na equipa", fazendo ainda uma comparação com o adversário.

"Quando assim é olhamos para o adversário que, jogando com o Bayern [no passado fim de semana, na Bundesliga], fez apenas uma alteração", atirou Toni, sublinhando, no entanto, que "não está hipotecado um dos objetivos da época, mas a tarefa ficou mais difícil".

"É uma entrada em falso. O adversário que tivemos pela frente é bom, difícil, mas com o qual o Benfica poderia ter discutido o jogo mais do que discutiu", referiu o ex-treinador das águias.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.