O Benfica desloca-se esta quinta-feira à Ucrânia para defrontar o Shakhtar Donetsk, na primeira mão dos dezasseis avos de final da Liga Europa (17h55).

As 'águias' vão procurar regressar às vitórias depois de três jogos consecutivos sem vencer e de ter visto a sua vantagem na I Liga diminuir consideravelmente. Já o Shakhtar, com uma vantagem bem confortável na Liga Ucraniana, regressa aos relvados depois de uma longa paragem que dura há mais de dois meses.

Histórico

As duas equipas, caídas da Liga dos Campeões esta época depois de terminarem no terceiro posto dos respetivos grupos na prova milionária, registam entre si quatro partidas, duas delas na Champions.

A vantagem é 'encarnada' com três vitórias do Benfica, contra apenas uma do Shakhtar.

Na primeira partida entre as duas equipas, num encontro de pré-época, as águias venceram por 2-0, com golos de Katsouranis e Karagounis, em 2006.

As equipas voltaram a defrontar-se no ano seguinte, desta vez no primeiro de dois encontros para o grupo D da Champions League de 2007/2008, com os ucranianos a saírem vencedores da Luz com um golo aos 42 minutos.

Na segunda volta do grupo, o Benfica 'vingou-se' na Ucrânia e bateu o Shakhtar por 1-2, com dois golos de Cardozo. Lucarelli marcou para a equipa da casa.

No encontro mais recente entre as duas equipas, num particular em 2009, o Benfica saiu vencedor por 2-0.

Frente a equipas ucranianas, o Benfica regista 14 jogos contra cinco equipas: um contra o Metalist, dois contra o Vorskla, cinco contra o Dínamo de Kiev, quatro contra o Shakhtar Donetsk e dois contra o Dnipro.

São nove as vitórias 'encarnadas' contra conjuntos ucranianos e nas visitas ao país do leste europeu, a tendência é dividida... literalmente.

Em seis encontros, três vitórias das 'águias' e três vitórias para a equipa da casa. Na visita mais recente, ao terreno do Dínamo de Kiev, a contar para a fase de grupos da Liga dos Campeões em 2016, com o Benfica a regressar a Lisboa, com uma vitória de 0-2 na bagagem.

Pé esquerdo de Cervi a fazer maravilhas
epa05592572 Franco Cervi (R) of Benfica vies for the ball with Andriy Yarmolenko (L) of Dynamo during the UEFA Champions League group B soccer match between Dynamo Kyiv and Benfica Lisbon at the Olimpiyskiy stadium in Kiev, Ukraine, 19 October 2016. EPA/ROMAN PILIPEY

Na Luz, a tendência é positiva, com quatro vitórias em seis jogos, a mais recente em 2016, frente ao Dinamo de Kiev.

As 'águias' não perdem frente a uma equipa da Ucrânia desde 2009, quando perdeu por 2-1, na visita ao Vorskla.

Guia de forma

O Benfica chega à Ucrânia naquele que pode ser considerado o pior momento de Lage à frente das 'águias'.

Em duas jornadas na I Liga, a equipa vencedora da última edição da prova viu a sua vantagem na liderança cair de sete para apenas um ponto, depois das derrotas no Estádio do Dragão, frente ao FC Porto e na Luz, frente ao SC Braga.

Pelo meio, houve Taça de Portugal, onde a equipa dos 'encarnados' garantiu a presença na final apesar do empate a uma bola na segunda mão das 'meias' frente ao Famalicão (na primeira mão venceu por 3-2).

Outro dado relevante são os golos servidos pela equipa do Benfica recentemente: nove nos últimos cinco jogos. Dado que pode servir de bónus para Luís Castro.

O técnico português não se senta no banco de suplentes há mais de dois meses. O Shakhtar não compete oficialmente desde 14 de dezembro de 2019, quando venceu o Zorya por 1-2, para a Liga Ucraniana.

Na Liga, a equipa comandada por Luís Castro é líder... e de forma folgada. 18 jogos, 16 vitórias e dois empates: são 50 pontos de vantagem, mais 14 pontos que o segundo classificado, o Dínamo de Kiev.

O que dizem os treinadores

Na antevisão à partida, Luís Castro, treinador do Shakhtar Donetsk apostou no onze que o seu adversário irá apresentar, deixando a dúvida nos jogadores que estarão no meio-campo.

"Vai jogar Vlachodimos, Tomás Tavares, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo, depois o Florentino e o Taarabt. Fica a dúvida da posição 10, se com o Chiquinho ou o Rafa, depois o Pizzi e o Cervi (ou o Rafa) nas alas. Não sei se vai guardar o Pizzi para o Gil Vicente, assim como o Vinícius. Depende muito como o Lage vai encarar este primeiro jogo. Se arrisca tudo ou vai guardar balas para o segundo jogo. Mas acho que vai ter três jogadores no meio campo".

Já Bruno Lage, não tentou apostar no onze do Shakhtar, mas admitiu que a 'manta não estica' com a equipa a ser muito direccionada para o ataque: "Uma equipa que quer pressionar à frente vai deixar espaço atrás", afirmou.

Sobre o momento vivido pelo Benfica, o técnico considera que esta não é a altura mais difícil vivida por si à frente das 'águias' e realçou o facto da equipa continuar em primeiro no campeonato.

"Os resultados estão menos bons, mas demoramos um ano até que esse momento chegasse. Problemas e pressão, são outras coisas, isto são oportunidades. A equipa vem de três jogos sem perder, mas continuamos em primeiro. Isto já não acontecia há muito tempo, a equipa do Benfica perder seis pontos e continuar em primeiro. O importante é independentemente da competição mostramos o nosso trabalho e ganhar. Amanha é mais uma excelente oportunidade para mostrar isso. Não considero o Sharktar menos favorito. Temos a ambição de fazer um bom jogo e depois seguirmos nas competições", disse.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.