O selecionador russo Stanislav Cherchesov descartou, esta quarta-feira, o risco de incidentes de racismo e violência de adeptos durante o Mundial (14 de junho-15 de julho), apesar de um novo escândalo por insultos racistas no futebol do país.

O Spartak Moscovo, atual campeão russo, foi punido esta quarta-feira pelos cânticos racistas de seus adeptos contra o guarda-redes brasileiro do Lokomotiv, Guilherme Marinato.

"Não acredito que tenhamos um problema de racismo a um nível que tenha de ser combatido", declarou Cherchesov à TV Globo.

"Hooligans? Eu não vi casos sérios", completou.

A menos de 100 dias para o início do Mundial, os organizadores do evento e a FIFA vigiam com rigor estes assuntos no país anfitrião.

A organização de luta contra as descriminações FARE contabilizou 89 incidentes relacionados com racismo no campeonato russo na temporada 2016-17.

O último caso foi os cânticos racistas da claque do Spartak contra o guarda-redes do Lokomotiv, que resultaram num "último aviso" da federação russa ao clube de Moscovo.

"Estudamos o áudio e o vídeo, escutamos 50 minutos de cânticos", disse o presidente do Conselho de Disciplina, Artur Grigoryants.

Hooligans ligados ao Spartak também deram o que falar na semana passada, quando protagonizaram cenas violentas em Bilbao, na Espanha, onde o clube defrontou o Athletic na Liga Europa.

Para Cherchesov, "há casos isolados e, como em outros países, as pessoas são punidas".

O técnico lembrou que a Rússia organizou sem incidentes a Taça das Confederações em junho do ano passado e acredita que tudo correrá bem durante o Mundial.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.