O Liverpool levou a melhor sobre o Flamengo de Jorge Jesus e venceu pela primeira vez na sua história o Mundial de Clubes ao graças a um golo de Firmino, num jogo que teve de ir a prolongamento.

O Flamengo jogou com o seu onze habitual, sem qualquer alteração. Já Klopp não esteve com meias medidas e apesar de ter tentado retirar pressão à partida na antevisão, colocou a sua melhor equipa com o regresso de Van Dijk, Firmino, Trent Alexander-Arnold e Sadio Mané à titularidade nos 'Reds'.

Com a 'carne toda no assador', o Liverpool começou a pressionar desde o primeiro minuto, contando com três oportunidades logo nos primeiros cinco minutos por Firmino, Mané e Alexander-Arnold.

O Flamengo procurava responder e conseguiu equilibrar o jogo a partir dos 15 minutos, se criar grandes ocasiões de perigo até aos 25' quando Bruno Henrique surgiu pela esquerda dentro da grande área, mas Gomez surgiu e cortou para o primeiro canto do jogo.

Aos 33 minutos, os comandados de Jorge Jesus ficaram a pedir penalti por suposta mão de Joe Gomez dentro da grande área, o VAR nada assinalou e na repetição a bola parece ter embatido na perna do inglês. Tudo certo e o jogo seguia, com o 'Fla' com maior posse de bola mas os 'Reds' a criarem mais perigo.

Na segunda parte, as equipas entraram tal como no início e o Liverpool voltou a pressionar... tal como no início. Firmino aos 47' atirou ao poste e Salah aos 50' atirou ao lado.

Respondeu o Flamengo e esteve bem perto do golo aos 53 minutos quando Gabriel Barbosa obrigou Alisson Becker a esticar-se para a defesa.

Ao minuto 69 o brasileiro tentou um golaço: cruzamento pela esquerda e Gabigol tenta o golo de bicicleta, mas Becker defende.

Aos 76' Salah ainda meteu a bola na baliza, mas o egípcio estava fora de jogo, numa altura em que o Liverpool voltou a carregar.

Já no tempo extra, Mané cai na grande área e o árbitro marca grande penalidade e dá amarelo a Rafinha mas o VAR é chamado a cena, o arbitro da partida vai ver as imagens e... não houve nada. Amarelo retirado ao jogador do Flamengo e segue jogo.

O jogo seguiu para o prolongamento e o Liverpool chegou ao golo. Mané rodopia e passa a bola para Roberto Firmino que dribla o defesa e o guarda-redes do Flamengo e faz o primeiro da partida.

Na segunda parte do prolongamento, o Flamengo tentava responder e chegar ao empate, e Lincoln teve uma oportunidade soberana para marcar, mas atirou a bola por cima em frente à baliza de Becker, na última grande oportunidade da partida que acabou em vitória dos 'Reds'.

Jorge Jesus ficou a um passo do mundo, mas continua a garantir o seu lugar na história do Flamengo ao levar o clube à épica conquista da segunda Taça Libertadores do clube, frente ao River Plate, e do sexto Brasileirão do ‘mengão’, 10 anos depois do último.

Já Kloop, com esta conquista garante (ainda mais) o seu lugar na história do Liverpool depois de por fim à maldição do Liverpool que nunca tinha marcado numa final da Taça Intercontinental/Mundial de Clubes prendendo todas ainda durante as primeiras partes das partidas.

Depois do mundo e da Europa, fica a faltar Inglaterra, mas com a primeira vitória do Liverpool na nova ‘Premier League’ a tornar-se numa possibilidade cada vez maior a cada jornada que passa, o alemão pode já começar a pensar numa rua para dar nome na cidade de Liverpool.

À quarta foi de vez

Com a vitória deste sábado frente ao Flamengo, o Liverpool venceu pela primeira vez o Mundial de Clubes, ao vingar-se do clube ‘rubro-negro’ depois de o ‘Flamengo’ ter derrotado os ‘Reds’ em 1981, naquela que foi a primeira final de ambos os clubes na Taça Intercontinental (atual Mundial de Clubes).

Em Tóquio, no Japão, a equipa do Flamengo que contava com o lendário Zico, levou a melhor sobre os ingleses num jogo em que o resultado ficou feito ainda durante os primeiros quarenta e cinco minutos.

Zico assistiu para os dois golos de Nunes (que chegou a alinhar pelo Boavista na época de 86/97), aos 13 e 41 minutos. Adílio fez o segundo, aos 34 minutos.

Bob Paisley viu assim fugir-lhe aquele que seria um dos únicos troféus que lhe ficaram por conquistar nos nove anos como treinador do Liverpool, entre 1974 e 1983: Conquistou Campeonato Inglês, Taça da Liga Inglesa, Liga dos Campeões, Taça UEFA e Supertaça Europeia. Escapou-lhe Taça de Inglaterra e Taça Intercontinental.

Se a Taça de Inglaterra a equipa de Anfield voltou a levantar depois de uma seca de 12 anos na competição (já com escocês Kenny Dalglish aos comandos da equipa), o Mundial continuou a escapar aos ‘reds’ e não foi por falta de tentativas.

O Liverpool regressou à Taça Intercontinental em 1984… e voltou a perder, mas por um resultado menos desnivelado (1-0), e contra um adversário argentino, o Club Atlético Independiente.

A equipa da cidade dos Beatles precisou de 21 anos para regressar à Taça Intercontinental, que nesse ano deu lugar ao Mundial de Clubes como o conhecemos atualmente sobre a égide da FIFA.

Nas meias-finais, onde entrou direto depois de vencer a Champions de 2005, na lendária final de Istambul, os ‘Reds’ bateram o Deportivo Saprissa por 3-0 e chegou à final para defrontar o São Paulo e… perder novamente.

No Estádio Internacional de Yokohama, o São Paulo chegou ao golo que lhe deu o troféu ainda no primeiro tempo, com Mineiro a marcar aos 27 minutos.

A equipa comandada por Rafael Benítez, que tinha nomes como Steven Gerrard, Xabi Alonso ou Jamie Carragher não conseguiu dar a volta nos restantes 63 minutos e acabou por sair derrotada na final do Mundial/Taça Intercontinental, pela terceira vez consecutiva.

O que já parecia maldição, foi quebrado este sábado por Jurgen Klopp e companhia, que este sábado tornaram o Liverpool campeão mundial pela primeira vez na sua história e curiosamente contra o adversário da primeira final. Uma desforra que demorou 38 anos a concretizar-se.

Apenas a segunda equipa inglesa

Com a vitória deste sábado em Doha, o Liverpool tornou-se apenas na segunda equipa inglesa a levantar o troféu e na segunda equipa inglesa a bater uma equipa brasileira na final do Mundial.

O Manchester United era até agora o único clube inglês com o troféu no seu museu. Alias, não é ‘o’ mas sim ‘os’ uma vez que os ‘Red Devils’ venceram a prova em duas ocasiões.

A primeira em 1999, contra o Palmeiras, com Roy Keane a marcar o primeiro e único golo que deu a primeira vitória inglesa na história da, na altura, Taça Europeia/Sul-Americana.

O Man. United repetiu a vitória nove anos depois, ao bater os colombianos da Liga de Quito, por 1-0 graças a golo de Rooney, com assistência de Cristiano Ronaldo, numa altura em que os ingleses já estavam reduzidos a 10 elementos depois da expulsão de Vidic aos 49 minutos.

Desde então, só por outra ocasião uma equipa inglesa chegou à final do Mundial de Clubes: o Chelsea, em 2012, chegou à ultima partida do torneio acabando derrotada pelo Corinthians por uma bola a zero.

Em dez finais com equipas inglesas, Inglaterra recebe o seu terceiro título, depois das vitórias do Manchester United (’99 e 2008) e das finais perdidas em 1968 (Man. United), 1980 (Nottingham Forest), 1981 (Liverpool), 1982 (Aston Villa), 1984 (Liverpool), 2005 (Liverpool) e Chelsea (2012).

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.