O Monterrey conquistou hoje a ‘medalha de consolação’ no Mundial de clubes, ao vencer o Al Hilal nas grandes penalidades, por 4-3, com o guarda-redes Luís Cardenas a vestir a ‘capa de herói’.

Com o jogo empatado no tempo regulamentar a 2-2 e sem que se disputasse prolongamento, os mexicanos foram mais eficazes no desempate por penáltis, com Cardenas a brilhar: defendeu dois remates, de Carlos Eduardo e Kanno, e marcou a grande penalidade decisiva.

Os sauditas apresentaram um ‘onze’ apenas sem Carrillo, castigado, e Gomis – que entrou aos 60 –, ao contrário do Monterrey, com várias poupanças e já a pensar na final do torneio de abertura com o América, em 27 de dezembro.

Na primeira parte no Khalifa International Stadium, em Doha, que será também o palco da final entre Flamengo, de Jorge Jesus, e Liverpool, o Al Hilal tomou conta do encontro na primeira parte, na qual podia ter chegado a vantagem confortável.

Carlos Eduardo inaugurou o marcador, aos 35 minutos, mas o Al Hilal podia ter saído para o intervalo com mais golos, depois de o mesmo jogador cabecear por cima aos 40 e Kharbin permitir a defesa de Cardenas, aos 41.

No segundo tempo, o controlo do jogo coube ao Monterrey, que chegou à reviravolta, com golos de Arturo González, aos 55, também de cabeça na marca de penálti, e de Meza, a passe de Zaldivar, aos 60.

Gomis tinha acabado de entrar e já estava em campo no golo dos mexicanos, mas o avançado daria o empate ao Al Hilal, aos 66. Ainda esteve nos pés do internacional francês a vitória dos sauditas, mas o remate embateu no poste aos 90+4.

Ainda hoje, Jorge Jesus disputará com o Flamengo, equipa campeã da Libertadores, a final do Mundial de clubes, diante do campeão europeu Liverpool, em jogo com início marcado para as 17:30.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.