Francisco J. Marques, diretor de comunicação do FC Porto, fez esta terça-feira um balanço do campeonato, que terminou com o Benfica a festejar o título

O diretor portista apontou baterias a Bruno Lage e questionou o facto de o rendimento do Benfica no campeonato ter sido muito diferente do que aconteceu noutras competições.

"O Bruno Lage, no campeonato, é melhor do que o Pep Guardiola, tem um rendimento inigualável no futebol português. Em 19 jogos tem 18 vitória e um empate com 72 golos marcados e 16 sofridos... Porque será que esse trajeto tão bom não tem sequer paralelo com os outros jogos da mesma equipa orientados pelo Bruno Lage? Em cinco jogos tem um empate e quatro derrotas, com 13 golos marcados e 11 sofridos, isto na Liga Europa, Taça de Portugal e Taça da Liga. O que fará que no campeonato se consiga esta performance fantástica? Aqui não houve interferência do cartel, porque o grande objetivo era ganhar o campeonato, era preciso encontrar uma forma de disfarçar tudo o que aconteceu nos últimos dois anos. Os métodos que levaram a uma série de vitórias do Benfica", começou por referir no Porto Canal.

"Este ano encontrámos exatamente o mesmo tipo de caminhada que em 2015/16. Na altura, numa disputa entre Benfica e Sporting, quem fez de Bruno Lage foi Rui Vitória, conseguindo também uma série de vitórias na parte final do campeonato, e mais tarde vieram a conhecer-se revelações sobre esse percurso que levantam muitas dúvidas. O Cássio diz que lhe ofereceram 60 mil euros para perder, há jogadores do Marítimo que disseram que foram aliciados para perder, o Lionn disse que ele, o Cássio e o Marcelo foram aliciados para perder... Será que estamos na presença de uma coisa idêntica ou não? Não sabemos, se calhar só se vai saber daqui a dois ou três anos, mas que levanta suspeitas esta diferença de rendimento, levanta. Não é normal ter uma diferença de rendimento tão grande entre o campeonato e as outras provas", acrescentou.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.