O Benfica foi o segundo clube mundial a registar o maior encaixe com a venda de jogadores, de acordo com um relatório do CIES Football Observatory.

O emblema encarnado arrebatou 230 milhões de euros nas últimas duas janelas de transferências, no verão de 2019 e janeiro de 2020.

O montante obtido permitiu ao Benfica ter um balanço positivo de cerca de 167 milhões de euros.

Recorde-se que o Benfica fez no período mencionado algumas vendas milionárias. Vendeu João Félix ao Atlético de Madrid por 126 milhões de euros, Raúl Jimenez ao Wolverhampton por 38 ME e Raúl de Tomás ao Espanhol por 20 ME.

No que diz respeito aos gastos, o Benfica investiu cerca de 64 ME, sobretudo em três ativos: Carlos Vinícius (17 ME), Weigl (20 ME) e Raúl de Tomás (20 ME).

Em terceiro lugar dessa lista aparece o Ajax com um balanço financeiro de cerca de 137 milhões de euros, entre compras (64ME) e vendas (201 ME).

O Sporting surge na quarta posição, com um encaixe de 92 milhões de euros, via transferência de Bruno Fernandes e ao valor reduzido investido em compras, cerca de 29 milhões de euros. O
Salzburgo fecha o top-5, com + 75ME.

Nenhum outro clube português aparece no ‘top 20’.

No primeiro lugar, surge o Chelsea que lucrou 250 milhões de euros em vendas, tendo gasto cerca de 45 milhões de euros. Os 'blues' estiveram Impedidos pela FIFA de contratar jogadores nestas janelas de transferências, devido a irregularidades na contratação de jogadores com menos de 18 anos.

O Real Madrid foi o emblema que mais gastou nestas duas janelas de mercado, apresentando um balanço financeiro negativo de -181 milhões de euros. O segundo posto pertence ao Aston Villa (-169ME), seguindo-se o FC Barcelona, terceiro com (-166 ME).

A nível de ligas europeias, a Premier League foi de longe a mais gastadora, com –844 ME de balanço, mais do dobro do que a La Liga (-418ME) e a Serie A (-407ME).

*Notícia atualizada às 15h05.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.