O Benfica continua à procura de um parceiro capaz de lhe satisfazer as exigências para o naming do estádio. Os 'encarnados' lançaram o dossier há mais de cinco anos mas, até agora, não conseguiram chegar a acordo com nenhuma empresa para a venda do nome do Estádio da Luz.

As pretensões dos 'encarnados' não têm sido atendidos pelos principais parceiros: o Benfica só cede o nome do seu estádio por 100 milhões de euros, durante 10 anos, que podem ser 12. Diz o jornal Record que os 'encarnados' acreditam que podem arrecadar entre sete a oito milhões de euros por ano com a venda do naming do estádio, que foi inaugurado a 25 de outubro de 2003.

A opção passará por uma empresa estrangeira, como deu conta Domingos Soares de Oliveira, em declarações à BTV em dezembro de 2018. "Nove dos dez maiores patrocinadores são empresas internacionais. As empresas portuguesas não estão preparadas para fazer este tipo de investimentos. As empresas com quem estamos a discutir são empresas internacionais", disse o CEO da SAD, na altura.

Escreve o Record que a Samsung surgiu como potencial patrocinador mas nunca houve uma proposta forma. A transportadora Emirates também foi apontada como a escolhida mas até agora... nada. A Huawei, parceira tecnológica do Benfica, também esteve a negociar com o Benfica mas nunca avançou com uma proposta concreta.

A ideia dos responsáveis 'encarnados' é receber uma verba perto da que arrecada o Bayern Munique, por exemplo. Os bávaros receberam 110 milhões de euros da seguradora Allianz em 2014 para ceder o nome do estádio por dez anos, passando o estádio a chamar Allianz Arena. Um negócio de 11 milhões de euros por ano.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.