Ambiente tenso em Alvalade. Minutos depois dos aplausos aos jogadores durante os exercícios de aquecimento, as bancadas do anfitiatro leonino reagiu à presença de Bruno de Carvalho no banco de suplentes com assobios e lenços brancos.

adepto levanta cartaz contra Bruno de Carvalho
adepto levanta cartaz contra Bruno de Carvalho

O presidente do Sporting acabou mesmo por dar um abraço a Jorge Jesus antes de se sentar enquanto que na bancada da claque Juventude Leonina surgia uma tarja com uma mensagem forte para os jogadores: "Jogadores: Amar e sentir o clube, tudo o que vocês não sentem".

 Aplausos aos jogadores

Antes do apito inicial do jogo entre Sporting e Paços de Ferreira, as bancadas de Alvalade aplaudiram os jogadores comandados por Jorge Jesus durante os exercícios de aquecimento mostrando que a recente polémica entre os atletas e Bruno de Carvalho não afectou a confiança dos sportinguistas nos futebolistas.

Enquanto o 'speeker' do Estádio de Alvalade ia anunciando os nomes dos jogadores titulares do Sporting, as bancadas iam reagindo com entusiasmo e aplausos, desde Rui Patrício a Bas Dost. Todos os jogadores receberam uma salva de palmas enquanto faziam os exercícios de aquecimento e depois quando regressaram aos balneários.

Novo comunicado de Bruno de Carvalho antes do jogo

Em novo comunicado no Facebook, Bruno de Carvalho voltou a abordar o momento entre jogadores e direção, depois da reação dos jogadores às criticas do presidente do Sporting após a derrota em Madrid.

O líder dos leões voltou a intenção de instaurar processos disciplinares a jogadores do plantel, mas para já não jogadores suspensos.

Leia a mensagem de Bruno de Carvalho na íntegra

"Quando a equipa de futebol regressou de Madrid, os jogadores pediram uma reunião com o Presidente. A mesma ficou de imediato marcada para este domingo, após o jogo com o Paços de Ferreira. Em seguida, foram ter com o treinador abordando o mesmo assunto. A reunião voltou a ser confirmada, com acordo de todos, e contaria também com a presença do treinador e outras pessoas da estrutura do futebol. Para espanto do Presidente, do treinador e demais pessoas da estrutura, e ao arrepio de tudo o que estava combinado entre todos, os atletas decidiram tratar através dos seus Instagram, aquilo que tinha sido reclamado pelos próprios como devendo ser tratado internamente.

Durante o dia de ontem, realizaram-se duas reuniões em que, além do Presidente, estiveram presentes o team-manager, o treinador e os atletas do plantel principal. Coisa estranha, quisemos tratar de tudo em família e dentro de casa, como aliás nos tem sido pedido, e eis que hoje está tudo na praça pública, plantado em todos os jornais, com vários factos deturpados, truncados ou, simplesmente aldrabados. E por isso aqui estamos, outra vez, obrigados a repor a verdade do que se passou.

Na primeira reunião, ficaram claras duas coisas: a total lealdade do treinador perante o Presidente e quem foram os grandes mentores de toda esta questão, de que fazem parte jogadores que, há anos, exigem sair do Clube de todas as maneiras e feitios. Aliás, essa situação ainda foi mais vincada quando, a dada altura, um atleta confrontou o Presidente com o facto - que notóriamente já tinha partilhado com o grupo -, de que o Presidente teria ligado no dia anterior ao líder da Juventude Leonina, pedindo-lhe que batesse nos jogadores, num acto que deixou o Presidente totalmente enfurecido.

O Presidente, recusando este tipo de insinuações, intrigas e manipulações de grupo, que já vêm sendo modus operandi habitual daqueles que, por várias vezes, tentaram desestabilizar o plantel, ligou em frente aos atletas para o líder da referida claque. Não sabendo que estava em alta voz perante toda a equipa, desmentiu categoricamente esse atleta, e os colegas puderam perceber o nível de manipulação a que se chega dentro deste balneário.

Na referida reunião, a que depois se seguiu outra na Academia, não houve nem poderia haver qualquer tentativa por parte dos atletas para que o Presidente se retratasse, nem dentro do grupo nem publicamente, até porque existe o sentimento e reconhecimento de que, por muito que possa desagradar a alguns, o Presidente coloca e colocará sempre os interesses do Sporting CP acima de tudo. É claro para todos que quem manda no Clube é o Presidente, pelo que, os retratamentos ou não que possa ter necessidade de fazer, acontecerão sempre em actos eleitorais ou AG's com os Associados, e nunca por exigência de assalariados ou colaboradores do Clube.

O Presidente foi claro e reafirmou que no Sporting CP não podemos estar perante grupos de atletas que se queiram comportar de forma sobranceira, e que têm, de uma vez por todas, que se focar na obrigação e missão de conquistar títulos e agradar e fazer felizes os Sócios e Adeptos do Sporting CP. Não podemos compactuar com joguinhos de "bastidores" internos, prejudicando os grupos e com atitudes de "ameaças e pressões" a colegas, sobretudo quando já havia uma reunião marcada para hoje, após o jogo, acordada por todos - Presidente, treinador e atletas. Isto tem sempre na sua base a tentativa de esconder insucessos, e promover na opinião pública um novo sentimento de revolta, cujos mentores terão aprendido a fazer, certamente, com as lições que tiveram durante o célebre e triste episódio protagonizado por alguém que, com uma agenda própria, tentou, com relativo sucesso, virar os sportinguistas contra o seu Presidente.

Estamos a fazer este comunicado pois não permitiremos, através do nosso silêncio como fizémos no passado, uma nova situação como a que ficou conhecida no universo sportinguista como "o caso Marco Silva". Foi, aliás, por gerir esse assunto só "dentro de casa", que se permitiu a criação de um mito e que se deixou que uma pessoa alimentasse uma "guerra" dos sportinguistas contra o seu Presidente, com constante passagem de informação falsa e deturpada para a Comunicação Social.

O mesmo se pode concluir da leitura das notícias de hoje. Alguém dentro daquelas duas salas, apressou-se, ao estilo do episódio já aqui referido, a colocar uma série de notícias falsas por todos os jornais. São este tipo de hipocrisias em que se apela publicamente para que os assuntos sejam tratados dentro de casa, para que depois, com recurso a serem "fontes anónimas", poderem livremente conspurcar uma Comunicação Social que, já por si, inventa todos os dias novas mentiras sobre o Sporting CP - facto que é intolerável - que não podemos nem iremos permitir.

Neste Clube, apesar das lições tristes que, há 3 anos, alguns jogadores tiveram, não iremos compactuar com atitudes dissimuladas, manipuladoras e desestabilizadoras, ficando, do nosso lado, em silêncio. Não se pode combater quem luta de forma "suja", recorrendo ao anonimato para atacar o Presidente e com isso o Clube, sem os desmascarar a cada passo.