O presidente do Sporting foi à sala de imprensa comentar a contestação e os assobios das bancadas de que foi alvo no encontro entre o Sporting e o Paços de Ferreira e frisou que não voltaria atrás nas suas decisões de criticar publicamente os jogadores através das redes sociais.

"Todos nós temos o direito de mostrar os nossos descontentamentos. Fiquei vacinado depois dos assobios com o treinador Marco Silva, o que não é admissível é adjetivarem-se. Se querem a demissão, há um sítio próprio. Agora estarem-me a chamar nomes… A ingratidão soa-me como música, soa-me a cinco violinos. Não andei com as pessoas na escola, nem comemos do mesmo prato. Peço-lhes que vão chamar nomes, mas às pessoas da família deles. Agora, assobios, sim. Os adeptos têm direito a tudo", começou por dizer Bruno de Carvalho.

Questionado sobre a sua relação com o treinador do Sporting, o líder leonino frisou que não e defendeu o seu direito a criticar os jogadores através das redes sociais.

"Post do Facebook? Tudo isto é normal. O Sporting é pródigo nisto, tem de dar liberdade às pessoas. Agora não vou voltar a sofrer calado aquilo que passei durante um ano. As pessoas no Sporting podem não querer saber as coisas, agora, enquanto achar que as pessoas devem estar informadas, continuarei a informar. Aquele post é sem interesse, sem nenhuma relevância. Só teve relevância na conferência de imprensa, em Madrid. Se não tinha sido, perfeitamente, normal. Fico mais chateado com o que li no jornal AS do que com o que li no meu post", acrescentou Bruno de Carvalho.

"Comunicado? Se eu quisesse precisar, em vez de o post ter 50 mil caracteres, tinha 100 mil. Neste momento, não há suspensão nenhuma. Se é verdadeiro [o que lá está escrito]? Gostava que alguém me dissesse quando é que eu escrevi, até hoje, alguma mentira. Representa a verdade, até porque tenho mais do que fazer", vincou Bruno de Carvalho sobre o conteúdo do seu último 'post' no Facebook.

Sobre a sua própria relação com os jogadores, Bruno de Carvalho frisou que neste momento está mais preocupado com outro tipo de 'relações'.

"Quando atingimos os limites que atingimos hoje e quando vivemos o que vivemos hoje, interessa-me a relação com a minha mulher, porque vamos ter amanhã a nossa filha. Não estou preocupado com mais nenhuma relação. A única coisa que tem de acontecer, neste clube, é que dentro do Sporting ninguém me falte ao respeito", atirou Bruno de Carvalho.

"Fábio Coentrão? A situação dele é exactamente igual à dos outros. Existem decisões e há uma pessoa da administração que não está cá. Temos de nos sentar e falar de alguns assuntos. Estão todos com a mesma situação, com um processo", afirmou Bruno de Carvalho."

Culpados? O principal culpado de tudo serei eu, enquanto presidente. Enquanto pessoa, já é diferente", sentenciou o presidente do Sporting.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.