O Benfica recebe, este sábado, o Gil Vicente (19 horas) para a quinta jornada do campeonato. Na antevisão à partida, Bruno Lage aproveitou para esclarecer algumas situações relativamente ao último mercado de transferências, nomeadamente o processo (falhado) de contratar um concorrente para Vlachodimos na baliza.

Jogo com o Gil Vicente: "Este jogo foi preparado ao detalhe, com menos tempo do que é normal. Vamos defrontar uma boa equipa que está em construção, que em cinco jornadas já causou surpresas. Temos de estar na nossa melhor forma para fazer um bom jogo e conquistar os três pontos."

Plantel: "Pela infelicidade de algumas lesões, o número é adequado ao que pretendemos. Disse sempre que queria um plantel curto, equilibrado e competitivo, mas não me lembro de dizer o número de jogadores."

Mercado: "Vamos partir das palavras de dois dos nossos jogadores. Primeiro do Cádiz. 'O treinador chamou-me, disse-me a verdade e eu entendi que era a melhor solução seguir a minha carreira noutro lado'. A minha relação com os jogadores é de verdade. O segundo jogador é o Odysseas. Ele esclarece que estava a par de tudo [possível saída]. Foi a primeira pessoa a ser informada de que queríamos ter mais um guarda-redes.

"Sabendo que tínhamos dois jovens valores, o Ivan [Zlobin] e o Svilar, entendemos que podíamos trazer mais experiência ao lugar. Ele [Vlachodimos] aceitou, percebeu e a partir daí começámos. Primeiro jogador: Cillessen. Em dois, três dias percebemos que era difícil trazer o jogador. Numa conferência anterior perguntaram-me se eu tinha gostado da eliminação do FC Porto da Liga dos Campeões. Não, porque enquanto não formos um campeonato competitivo, não vamos conseguir trazer determinados jogadores. Eu acredito muito no vosso trabalho, é através de vós que falamos com o adepto, mas há certas alturas em que termos de perceber que tipo de fontes queremos para cada assunto. Esta [Cillessen] foi a primeira solução, em dois, três dias. Depois, vou dizer, não tenho problema nenhum: Fabianski. Num dia percebemos que por questões financeiras seria impossível, até que surgiu a terceira opção, pelo facto de o Buffon regressar à Juventus. Atacámos o Perin e conseguimos, infelizmente, devido a uma lesão, não atingimos o acordo final. Por último, Gulácsi. Recebemos a informação de que o clube lhe tinha prometido um projeto diferente, mas ficámos a saber e vocês passaram essa informação, a uma semana do fecho do mercado, o clube disse que não havia hipótese de entrar em negociações. É isto que é fundamental os nossos adeptos perceberem. Vejam a qualidade destes jogadores, o nível que queríamos trazer para o plantel do Benfica, e situações que foram caindo em dois ou três dias. Estivemos numa maratona até ao final do mercado."

Ausências para os compromissos internacionais: "Começámos ontem a preparar o jogo com o Gil Vicente. Precisamos de dois três dias para preparar cada jogo. O facto de não ter alguns jogadores, por causa das seleções, faz com que os que cá ficam tentem sempre melhorar. Olhamos sempre para uma perspetiva de evolução e de adaptação de alguns reforços."

Jogadores excedentários: "Vou responder à sua pergunta e o tema fica fechado. No dia 2 ou 3, quando fechou o mercado, falei com todos os jogadores com perspetivas de sair. Todos eles contam neste momento. Mas contam mesmo."

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.