O treinador do Rio Ave, Carlos Carvalhal, antecipou hoje um duelo "entre equipas idênticas, que praticam um bom futebol", na receção de sexta-feira ao Famalicão, da 19.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

O técnico da conjunto vila-condense não poupou elogios à carreira do adversário, dizendo que merece o estatuto de "equipa revelação do campeonato, pelo que fez na primeira volta e pela qualidade coletiva, individual e de organização", mas quer dar sequência à série de três vitórias consecutivas da sua equipa.

"Temos mostrado um bom nível exibicional e queremos continuar a evoluir a equipa. Vamos defrontar um adversário que está ao nosso nível, nem acima, nem abaixo. São equipas idênticas, com futebol de qualidade, o que faz prever um bom jogo, em que os pormenores podem fazer a diferença", afirmou.

Os famalicenses jogam a Vila do Conde depois de não terem conseguido vencer nas últimas duas jornadas (empate com o Marítimo e derrota com o Santa Clara, ambos em casa), mas Carlos Carvalhal não espera um adversário debilitado animicamente.

"Não estamos à espera de um Famalicão fragilizado. Bem pelo contrário, será uma equipa boa, com princípios de jogo. Sinto que os adversários passaram a ter mais respeito pelo que podem fazer e isso criou-lhes dificuldades, sobretudo quando anulam algumas pedras na sua dinâmica", analisou o treinador do Rio Ave.

Caso vença, a formação vila-condense soma o quarto triunfo consecutivo no campeonato, igualando o melhor registo do clube no historial de participações na prova, algo que agrada a Carlos Carvalhal, mas que o próprio considera como mais passo para o objetivo traçado para esta segunda volta.

"Queremos fazer melhor do que os 25 pontos que conseguimos na primeira volta. Se andarmos nesse patamar será excelente. Para já, as perspetivas são animadoras, mas sabemos que temos bons adversários pela frente", vincou.

Carlos Carvalhal comentou, ainda, a chegada do médio Al Musrati, segundo reforço dos vila-condenses nesta ‘janela de transferências’, depois de Gelson Dala, considerando tratar-se de um jogador que faltava para estabilizar as opções no grupo.

"Agradecemos ao Vitória de Guimarães por ter cedido o atleta, porque dentro das hipóteses que tínhamos esta é a opção que queria escolher. Gosto do jogador, encaixa bem equipa e acrescenta valor, por ser um médio defensivamente forte, mas também bom a construir", analisou o treinador Rio Ave.

Quanto a eventuais saídas, numa altura em que surgem notícias do interesse de alguns clubes no avançado iraniano Taremi, Carlos Carvalhal falou neste período de transferências como "um pesadelo para os treinadores", mas vincou que não espera perder jogadores.

"São situações normais no mercado, onde tudo pode acontecer. Tal como já não há empregos para toda vida, também não há trabalhos para toda época. As coisas mudam e os treinadores e jogadores tem de estar focados no trabalho, pois isso é que será a consequência de um eventual salto. Sinto todo o grupo de corpo e alma no Rio Ave", garantiu.

Para o jogo de sexta-feira, o treinador ainda não deve contar com o reforço Al Musrati, que chegou há dois dias ao clube, e é certo que não pode convocar os lesionados Jambor e Nadjack

O Rio Ave, sexto classificado, com 28 pontos, recebe na sexta-feira o Famalicão, quarto, com 31, numa partida agendada para as 21:15, da 19.ª jornada da I Liga.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.