O debate instrutório do Ataque à Academia de Alcochete, que decorre no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, ficou esta quarta-feira marcado por uma troca de palavras entre a magistrada Cândida Vilar e o arguido Elton Camará.

A magistrada analisava o depoimento do referido arguido, que se identificou como amigo de William Carvalho e de Jorge Jesus, quando o questionou sobre o facto de o antigo treinador dos leões não ter testemunhado a seu favor. Camará insurgiu-se contra Cândida Vilar e esteve perto de abandonar o Tribunal.

O arguido acabou no entanto por ficar na sala e quando a procuradora decidiu manter a prisão preventiva por considerar que não havia arrependimento por parte de Elton Camará este exaltou-se.

Sporting: Ex-líder da Juve Leo em liberdade
Sporting: Ex-líder da Juve Leo em liberdade
Ver artigo

"Vocês estão a dar cabo da minha vida. Tenho oito filhos para dar de comer, não cometi nenhum crime para estar preso", terá dito o arguido.

Recorde-se que no dia 15 de maio do ano passado, a equipa de futebol do Sporting foi atacada na Academia do clube, em Alcochete, por um grupo de cerca de 40 alegados adeptos encapuzados, que agrediram alguns jogadores, treinadores e ‘staff’.

Bruno de Carvalho: "Os adeptos acediam à Academia com autorização do funcionário Jorge Jesus"
Bruno de Carvalho: "Os adeptos acediam à Academia com autorização do funcionário Jorge Jesus"
Ver artigo

Os arguidos são suspeitos de vários crimes, entre os quais terrorismo, ofensa à integridade física qualificada, ameaça agravada, sequestro e dano com violência.

Na sequência do ataque à academia, nove futebolistas rescindiram os contratos com o clube.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.