Depois do empate no terreno do Marítimo, o FC Porto fez o que lhe competia e bateu o Desportivo das Aves, 'lanterna vermelha' que já leva oito derrotas consecutivas, repondo assim os dois pontos de distância para o Benfica. Mas tal como tinha acontecido a meio da semana no Funchal, a noite voltou a ser de pouca inspiração para os 'azuis e brancos'. O golo de Marcano, aos 13 minutos, foi o ponto alto de uma exibição pobre, sobretudo na segunda parte, frente a um adversário que, nunca deixando de acreditar no empate, não teve capacidade para dar outro rumo à partida.

Sérgio Conceição surpreendeu ao lançar o jovem Bruno Costa no lugar de Matheus Uribe, mas manteve tudo praticamente na mesma a nível tático. Zé Luís e Alex Telles voltaram a sentar-se no banco, uma decisão talvez já a pensar no duelo europeu com o Rangers, e Marega continuou fora da ficha de jogo. No lado do Aves, destaque para a estreia absoluta de Raphael Aflalo na baliza, por troca com Beunardeau, o titular habitual.

Mesmo sem brilhar, o FC Porto parecia ter tudo controlado no primeiro tempo e foi com naturalidade que chegou à vantagem. Ao minuto 9, os adeptos levantaram-se para aplaudir Fernando Gomes, o goleador portista que luta contra uma doença oncológica e que assistiu à partida no Dragão, com João Pinto. Quatro minutos depois Marcano vestiu a pele de avançado para fazer o único golo da noite - terceiro da temporada: bom cruzamento de Otávio na direita, com o central a aparecer na área e a atirar, de primeira, para o fundo da baliza.

Pareciam estar reunidas as condições para uma vitória tranquila frente a um adversário bastante debilitado pelos últimos acontecimentos, mas a verdade é que o futebol pouco criativo e os erros sucessivos da equipa portista levaram a que o 'suspense' se prolongasse para lá do que era expectável, com direito a alguns assobios de adeptos logo após o apito final.

Até ao intervalo, o FC Porto ainda viu Hélder Malheiro anular (bem) o penálti que havia marcado aos 24 minutos, após consultar o VAR, e Aflalo responder com uma excelente defesa a um remate potente de Luis Díaz (32'). Enquanto isso, o Aves procurava surgir mais vezes próximo da baliza defendida por Marchesín, tentando a sorte em remates de longe ou de bola parada - na segunda parte Mohammadi obrigou o guardião portista a defender com os punhos, mas não mais do que isso.

Aos 56 minutos Sérgio Conceição lançou Alex Telles e Zé Luís para os lugares de Mbemba e Luis Díaz, mas nada parecia pôr fim à passividade dos 'azuis e brancos'. Nem o cabeceamento de Pepe (65') - Afflalo sacudiu a bola para a trave - serviu para espevitar os homens do FC Porto, que apenas uma semana antes, naquele mesmo palco, haviam dominado o Famalicão.

Os números deste jogo falam por si: quatro remates à baliza para o FC Porto e zero para o Aves, apesar da diferença abissal na posse de bola (74% contra 26%). Ainda assim, a vitória dos 'dragões' acaba por ser o resultado mais justo.

Momento

Golo de Marcano aos 13 minutos: Um dos poucos momentos de bom futebol do FC Porto. A assistência de Otávio é muito boa e o pontapé de Marcano, de primeira, ainda melhor.

O melhor

Marcano: Não só pelo golo, que acabou por valer os três pontos à sua equipa, mas também pela exibição sólida a nível defensivo.

O pior

Soares: Repetindo o que já tinha acontecido a meio da semana, contra o Marítimo, o avançado brasileiro raramente incomodou a defensiva adversária.

Declarações

Sérgio Conceição: "Os jogadores têm que estar preparados para a exigência de um clube como o FC Porto"

Marcano: "Há jogos em que as coisas não saem como queremos. Os adeptos são livres de se expressarem"

Leandro Pires: "Os meus jogadores fizeram um jogo de grande carácter"

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.