O FC Porto divulgou esta quinta-feira, o Relatório e Contas referente ao primeiro semestre da época 2018/2019. Os 'dragões' tiveram um lucro de 7.158 milhões de euros, em contraste com os 23.926 milhões negativos apresentados no período homólogo da época 2017/2018.

No comunicado enviado à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários, a SAD azul-e-branca revelou também quanto pagou pelos reforços. Éder Militão, jogador contratado ao São Paulo, custou 8,5 milhões de euros (7 milhões de euros do passe mais encargos adicionais), com os 'dragões' a deter 90 por cento do passe do central brasileiro. O jovem internacional canarinho foi a contratação mais cara da época, ele que estava a seis meses do final do contrato com o São Paulo.

O segundo jogador mais caro foi o congolês Chancel Mbemba. O defesa central custou 6,2 milhões de euros.

No pódio dos mais caros está Moussa Marega. No início da época o FC Porto recomprou os 30 por cento do passe que estava na posse do Vitória de Guimarães, por 4,1 milhões de euros ((incluindo encargos adicionais com a operação).

Em junho de 2018 o FC Porto revelava que detinha 100 por cento do passe do maliano mas agora apenas detém 95 dos direitos económicos do extremo. No Relatório não é especificado quem detém  os restantes cinco por cento de Marega.

No comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, os 'dragões' revelam também que pagaram 1,96 milhões de euros ao Tondela para comprar metade do passe do central Osório, o mesmo montante pago por 50 por cento do passe de Ewerton, jogador contratado ao Portimonense. Já Paulinho (contrato e depois emprestado ao Portimonense, tal como Ewerton) custou 2,9 milhões de euros, com o FC Porto a adquirir 80 por cento do passe.

Ao todo, a SAD azul-e-branca gastou 28,9 milhões de euros em reforços, sendo que três destes milhões foram utilizados na compra de outros jogadores que o Relatório não especifica.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.