A conquista do título na I Liga de futebol, que fugia há cinco anos do Dragão, leva Domingos Paciência a fazer um balanço positivo da época do FC Porto, que "fez das fraquezas forças".

Em entrevista à Lusa, o antigo jogador dos 'dragões' lembrou os vários condicionalismos que os 'azuis e brancos' enfrentavam no início da temporada, algo que acentua ainda mais o "mérito" do treinador Sérgio Conceição em quebrar o maior jejum de títulos de campeão no consulado de Pinto da Costa à frente do FC Porto.

"Acaba por ser uma época de sonho, porque das fraquezas se fizeram forças. Com a fraqueza com que começou o campeonato, em virtude do 'fair play' financeiro, dos quatro títulos do Benfica, de um Sporting com a expectativa que seria muito mais forte, o FC Porto acaba por ser campeão no ano em que tudo apontava que fosse terceiro classificado", considerou.

Ao relevar o trabalho do técnico portista na sua temporada de estreia no clube, o antigo avançado portista salientou também um aspeto fundamental para o triunfo e que chegou de fora do campo: o peso da massa associativa 'azul e branca'.

"O FC Porto teve uma equipa muito competitiva, uma crença muito grande, com jogadores que estiveram antes emprestados, sem grandes alternativas, e isso criou uma corrente muito positiva. Ficou provado que, por vezes, não existindo a melhor qualidade do mundo se consegue também ganhar", vincou.

Manifestando a sua expectativa de uma transição para a próxima época sem grandes mudanças e com o reequilíbrio do plantel apenas em posições específicas, Domingos Paciência confessou também a sua crença de que este título será o lançamento de um novo ciclo hegemónico do clube no futebol português.

"Seria um erro da administração fazer uma nova equipa. Há uma linha de continuidade e o FC Porto deveria manter jogadores. Há atletas que estão a terminar contrato e há outros que tiveram muita importância, como Casillas e Marcano. Quem está à frente é que sabe a gestão da equipa", disse.

Paralelamente, o ex-jogador e ex-treinador de Belenenses, Sporting de Braga, Sporting, entre outros clubes, destacou alguns jogadores que considerou preponderantes para este êxito.

"Destacaria o Casillas, que num momento de alguma fragilidade transmitiu segurança e estabilidade à equipa, o Herrera e o Sérgio Oliveira, porque eles fizeram esquecer o infeliz Danilo, criando um meio campo forte, e depois, na frente, destacaria o Marega, pois o FC Porto encontrou um jogo muito simplificado, mas eficaz, em que ele foi a referência", finalizou.

O FC Porto, sob a orientação de Sérgio Conceição, fechou a época 2017/18 com a conquista do título de campeão nacional, num ano em que igualou inclusivamente o recorde de pontuação da prova, ao somar 88 pontos, os mesmos do Benfica em 2015/16.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.