Joaquim Evangelista louva a atitude de Marega e afirma que o caso não é novo e que o Sindicato dos Jogadores já teve conhecimento de outras situações semelhantes com outros jogadores.

Em declarações exclusivas ao SAPO Desporto, o presidente do Sindicato dos Jogadores afirma mesmo que o racismo é algo enraizado na sociedade portuguesa e condenou as reações de "paternalismo" à atitude de Marega.

SAPO Desporto (SD) - O que é que o Sindicato dos Jogadores pode fazer para apoiar o Marega nesta situação?

Joaquim Evangelista (JE) - "O Sindicato tem feito tudo para acabar com este fenómeno do racismo, da violência, da xenofobia, da homofobia no desporto. Este ato em particular merece a nossa condenação, é inaceitável que alguém ponha em causa a dignidade de outro ser humano. Estamos a falar de um futebolista, mas também de uma pessoa. Não pode pôr em causa o desporto, nem os nossos valores em sociedade. Porque é isso que estamos a falar, isto diz respeito a todos, vai além do futebol, na verdade.

Porque ao compactuarmos com estas situações estamos a pôr em causa o nosso futuro e isto é muito explorado também por grupos políticos, partidos políticos, muitos populismos, que aproveitam estes temas para dividir a sociedade, e portanto, é de condenar [o caso de Marega] com genuinidade, não é com aquele aproveitamento que muitos fizeram para neste momento estar ao lado do Marega.

Naquilo que depender de nós, o Marega terá o nosso apoio. Ontem foi ele sozinho que reparou e o Sindicato acha que se isto voltar a acontecer se calhar têm de sair todos os jogadores. O Sindicato pede a sensibilidade dos jogadores, para que se isto voltar a acontecer, eventualmente eles têm de parar definitivamente para se refletir a sério sobre o que se está a passar. Não é aceitável deixar um jogador nestas condições, que se viu obrigado a deixar o campo de futebol, onde deveria de estar a desenvolver a sua atividade com salvaguarda da sua integridade e do seu bom nome"

SD - Tem conhecimento de outros jogadores que tenham passado por situações semelhantes em Portugal?

"Já houve alguns casos que nós [Sindicato] identificamos, estivemos ao lado. Esta questão do racismo é uma questão cultural. Aliás, eu acho que no nosso subconsciente ele está cá enraizado e portanto nós temos todos os dias de estar atentos aos sinais para evitar que eles vinguem novamente. O racismo, a xenofobia, a homofobia, os nacionalismos... é preciso estar muito atento, porque é um problema cultural.

Aliás hoje vimos várias reações de paternalismo: “Ah, mas o Marega foi bem tratado aqui em Guimarães”, “mas eu sou amigo dele”; sim, e depois? O que é que uma coisa tem a ver com outra? Houve aqui uma ofensa clara a valores fundamentais. Há também aquela teoria da vitimização, “somos um clube pequeno, só acontece a nós”, não é aceitável. Nós temos de, nestas situações, saber de que lado estamos. A formação tem de ser geral, tem de ser séria, tem de ser permanente”

SD - O  Vitória de Guimarães não foi muito firmes no comentário à situação após o jogo...

JE - "Eu acho que aquilo que aconteceu ontem, foi excecional. Excecional no sentido em que não estávamos preparados para isso, para um jogador de repente parar e ir-se embora. Foi uma coisa nova, toda a gente ficou surpreendida, os próprios jogadores do FC Porto, todos nós… Não vale a pena estamos aqui a julgar os outros, nós se lá estivéssemos não sei como é que reagiríamos.

Dentro do jogo, das hierarquias, houve muita gente que se acabou por comportar de maneira excecional. Agora não tenha dúvidas, que aqueles jogadores e agentes desportivos, condenam o racismo e estas formas de violência. Os jogadores do FC Porto também não saíram, porque de facto ninguém estava preparado para isto, agora se isto voltar a acontecer estou convencido que a resposta será outra.

Não tenha dúvidas que os agentes estão neste momento mais preparados e articulados para este fenómeno. Veja em 2017, o Fernando Gomes foi à Assembleia da República com os agentes desportivos, onde eu estive também, no sentido de mobilizar o poder politico para a alteração da lei, conseguiu-se. Mais recentemente, o presidente da Liga tem manifestado a sua intenção de combater este fenómeno. A Alta Autoridade já está a dar sinais de eficácia relativamente aquilo que são as decisões mais recentes. O próprio Diretor Nacional da polícia, no discurso de tomada de posse, foi muito claro em querer recuperar autoridade do estado e acabar com este sentimento de impunidade, portanto eu acho que estão criadas as condições. As medidas de facto são mais severas, mas eu insisto, a prioridade deve de ser a formação. A educação dos mais jovens, a educação dos treinadores, dos educadores, dos país, para haver um compromisso social total. Isto não é por agora interditarmos estas pessoas dos estádios, e devemos-lo fazer, estes energúmenos não têm lugar no desporto, e vai haver um efeito dissuasor, mas não muda culturalmente. Culturalmente só se houver uma tendência mais profunda, social para lidar com estes fenómenos e isso só se faz através da pedagogia, da educação"

SD - Isto só vem agravar o clima de tensão dos últimos tempos no futebol português, teme pela segurança dos jogadores neste momento?

JE - "Nós temos de estar atentos e ser realistas, há sinais perigosos no que concerne à violência e à integridade dos vários agentes desportivos: estou a falar dos jogadores, dos árbitros em particular, de alguns dirigentes, até os cidadãos em geral que vão ver jogos de futebol às vezes vêm em causa a sua integridade física por um bando de pessoas, de adeptos das claques que acham que podem e mandam no desporto e no país. Isto não é aceitável.

É um clima perigoso, um clima negativo, que afeta a nossa imagem, mas que sobretudo põe em causa o nosso modo de vida. Para mim o mais importante é isto: eu quero um país onde haja regras de conduta e de respeito mutuo, de tolerância, de multiculturalidade… onde todos caibamos, e isso não está a acontecer. O desporto não pode ser um albergue, onde estes grupos possam encontrar o espaço para manifestar atos de violência e outros.

Estou preocupado, mas acredito no estado de direito e acho que o estado tem de recuperar essa autoridade, de exigir um comportamento e defender a liberdade de cada um de nós. A liberdade acaba onde começa a dos outros. Esse principio é fundamental na sociedade e no desporto tem de ser igual.

Quanto ao Marega, um enorme orgulho em alguém, que teve esta coragem. Foi ele que teve esta coragem sozinho. Obriga aqui a uma mudança de paradigma. Ontem [domingo] o Sérgio Conceição dizia que “Somos uma família”, nós também somos uma família, a família dos jogadores está do seu lado, naquilo que depender de nós estamos ao lado de Marega e faremos tudo para mudar e erradicar esta fenómeno do desporto português"

Este domingo, Marega foi substituído ao minuto 71 do jogo da 21.ª jornada da I Liga, entre o FC Porto e o Vitória de Guimarães, depois de ter sido alvo de cânticos e gritos racistas por parte de adeptos da equipa minhota.

 

Vários jogadores do FC Porto e do Vitória de Guimarães tentaram demovê-lo, mas Marega mostrou-se irredutível na decisão de abandonar o jogo, numa altura em que os 'dragões' venciam por 2-1, resultado com que terminou o encontro. O emblema minhoto pode ser punido com um a três jogos a porta fechada, de acordo o Regulamento Disciplinar da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) sobre atos que “promovam, consintam ou tolerem” comportamentos racistas.

O artigo 113.º do regulamento em vigor define as sanções a “comportamentos discriminatórios em função da raça, religião ou ideologia”.

A caso ganhou contornos internacionais e foi notícia lá fora, sendo noticiado em várias televisões mas também em jornais online.

Em Portugal, vários clubes mostraram a sua solidariedade para com Moussa Marega, entre eles o Rio Ave, o Sporting, o SC Braga.

O caso extravassou o futebol e foi comentado por vários quadrantes políticos, quase todos a reprovarem os insultos racistas contra o maliano.

Marega não foi ato isolado: recorde outras ocasiões em que o racismo 'invadiu' o desporto português
Marega não foi ato isolado: recorde outras ocasiões em que o racismo 'invadiu' o desporto português
Ver artigo

Dirigentes e deputados de vários partidos, incluindo os líderes do CDS-PP, da Iniciativa Liberal comentaram na redes sociais condenando os insultos dirigidos ao jogador Marega, do FC Porto.

O primeiro-ministro manifestou também a sua "solidariedade" com Marega e o "repúdio total" por atos racistas contra o futebolista do FC Porto, esperando que "as autoridades ajam como lhes compete" para impedir que voltem a acontecer. Antes, o secretário-geral adjunto do PS, José Luís Carneiro, tinha repudiado os insultos racistas de que foi vítima Marega, salientando que estes atos atentam contra a Constituição e devem ter consequências. Já o Secretário de Estado do Desporto e da Juventude, João Paulo Rebelo, em entrevista à RTP, elogiou a decisão do maliano em abandonar o terreno de jogo.

O Bloco de Esquerda (BE) quer saber que medidas concretas vai o Governo tomar na sequência dos insultos racistas de que foi alvo o jogador do FC Porto Marega durante um encontro no domingo com o Vitória de Guimarães. Em comunicado, o BE dirige algumas perguntas ao Ministério da Educação e, em concreto, à secretaria de Estado do Desporto e da Juventude, e presta a sua solidariedade para com Moussa Marega e para com “todos os que não desistem de fazer da prática desportiva uma casa da igualdade”.

Os três passos que os árbitros podem tomar no caso de comportamentos racistas
Os três passos que os árbitros podem tomar no caso de comportamentos racistas
Ver artigo

O Presidente da República condenou, esta segunda-feira, os insultos racistas de que o jogador do FC Porto Marega foi alvo no domingo, lembrando que a Constituição da República é muito clara na condenação do racismo, xenofobia e discriminação. O Presidente da República sublinhou que só pode “condenar, como sempre, veementemente, todas as manifestações racistas, quaisquer que sejam”.

A associação SOS Racismo defendeu que os responsáveis pelos insultos racistas ao futebolista Moussa Marega devem ser "severamente punidos", considerando que o fenómeno tem que ser "enfrentado antes que se torne incontrolável". A SOS Racismo saúda a decisão de Marega abandonar o relvado, considerando que "era o que todos os presentes deviam ter feito", começando pela equipa de arbitragem.

O PCP pediu  a audição, no parlamento, do ministro da Administração Interna, secretário de Estado do Desporto e Liga de Clubes sobre "medidas a adotar" depois das "manifestações de racismo" contra o futebolista Marega.

Opinião diferente teve André Ventura, deputado e líder do partido CHEGA, que desvalorizou o caso, e disse que as reações eram eram "o síndrome Joacine que começa a invadir as mentalidades".

Balotelli, Aubameyang, Lukaku, Koulibaly: Casos de racismo no futebol foram-se multiplicando ao longo dos anos
Balotelli, Aubameyang, Lukaku, Koulibaly: Casos de racismo no futebol foram-se multiplicando ao longo dos anos
Ver artigo

A PSP está a tentar identificar os adeptos suspeitos de dirigirem palavras e gestos racistas e xenófobos a Marega, do FC Porto, cometendo assim infrações criminais e contraordenacionais, informou hoje a direção da PSP. A PSP sublinha que o comportamento dos adeptos suspeitos configura um crime previsto e punido no Código Penal com pena de prisão de seis meses a 5 anos. Além da vertente criminal, a PSP acrescenta que tal comportamento de adeptos constitui contraordenação, pois “a prática de atos ou o incitamento à violência, ao racismo, à xenofobia e à intolerância nos espetáculos desportivos" pode ser punida com coima entre 1.000 e 10.000 euros.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.