Bruno Lage aproveitou a conferência de imprensa de antevisão do jogo com o Paços Ferreira para analisar aquilo que viu no Benfica nestas últimas semanas de trabalho, depois de ter lido o que foi escrito na imprensa após a conquista da Supertaça frente ao Sporting. Numa longa intervenção, o técnico dos campeões nacionais falou do espírito de grupo, da união entre os mais velhos que querem ajudar os mais novos, dos que entram e dos que saem.

Lage explica a euforia do Benfica e questiona: "Quem não quer vencer o campeão?"
Lage explica a euforia do Benfica e questiona: "Quem não quer vencer o campeão?"
Ver artigo

"Na segunda-feira tive oportunidade de ver que análises foram feitas à nossa equipa. Há uma coisa que ninguém consegue perceber. É a análise que ninguém vê. O que é que nós vimos? Um Ody [ndr Odysseas Vlachodimos] a marcar presença, mesmo sabendo que queremos um guarda-redes, e queremos. Desde aí ele disse-me: 'estou aqui e podes contar comigo'. O que é que eu vi? Vi um Gabriel a ganhar 5-0 e a disputar cada lance como se fosse o último. Com um resultado feito, a lesionar-se, mas é isto que nós queremos. Seferovic e Raul... zero golos. Mas ninguém correu como eles", garantiu Lage, antes de prosseguir nos elogios.

Lage deixa rasgados elogios a Bruno Fernandes e Conceição
Lage deixa rasgados elogios a Bruno Fernandes e Conceição
Ver artigo

"A nossa forma de jogar depende muito de como os nossos jogadores correm. O André Almeida merecia estar na Supertaça. Lesionou-se em prol da equipa, jogou e treinou lesionado. Agora a sua situação é esta. Temos Fejsa e Samaris, 30 anos cada um, títulos e a treinar de uma forma tranquila e com uma motivação enorme e a ajudar o miúdo Tino [Florentino Luís] a estar tranquilo e a trabalhar para ajudar a equipa. O Adel [Taarabt], que não foi o treinador, mas sim o Benfica que lhe deu oportunidade. Por cada cinco minutos que lhe damos, ele morre lá dentro pela equipa. Zivko e Cervi. O facto de Nuno Tavares jogar à direita, eles tiveram de treinar a defesa-esquerdo. Estiveram lá para ajudar a equipa. Depois… todos viram o abraço que eu dei ao Bruno Fernandes. Mas eu, enquanto treinador, vi o abraço que o Pizzi deu ao Chiquinho. O Pizzi… dois golos, uma assistência e quando acaba o jogo vai dar um abraço ao Chiquinho que o foi substituir. Por fim, o capitão Jardel: funciona como um sargento, tropa sempre alinhada. E é só olhar para o sorriso dele a levantar a Supertaça. É só isto que quero para esta época, é isto que quero para esta equipa", frisou.

O Benfica-Paços Ferreira, da primeira jornada da I Liga, está marcado para às 21h30 deste sábado, na Luz.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.