O treinador Lito Vidigal disse hoje estar focado no “duríssimo desafio” de garantir a permanência do Vitória de Setúbal nas derradeiras quatro jornadas da I Liga de futebol, com espírito de missão e por um objetivo coletivo.

 Na cerimónia de apresentação do novo técnico dos sadinos, hoje realizada numa unidade hoteleira em Lousada, no norte do país, onde a equipa se encontra a estagiar para o encontro com o Desportivo das Aves, Lito Vidigal recorreu a Miguel Torga para explicar o regresso e os moldes em que o faz.

 “Malditos sejam aqueles que se negam aos seus em horas apertadas”, disse o técnico, procurando logo aí manter o foco no presente e no objetivo comum da permanência.

 Para ser bem-sucedido nesta pouco usual missão, até ver limitada a quatro jornadas, Lito disse ser necessário “seriedade, rigor e exigência” e “pensar de forma coletiva”.

 “Aceitei este desafio pela grandeza do Vitória. Acredito nos jogadores e vim para sofrer por eles e com eles. O momento é muito difícil e duro, mas tenho confiança. Temos de estar todos em sintonia”, afirmou.

 Lito terá cerca de 20 dias para trabalhar e manter o Vitória de Setúbal no principal escalão, num espírito de missão em que o principal será “sofrer uns pelos outros, pela história e grandeza do Vitória”, pois desse modo “a probabilidade de vencer é maior”.

 “O que é que o salário vale no momento que o Vitória está a passar? Não há dinheiro que pague, temos é de ter sorte e trabalhar para conseguirmos a permanência. O futuro é amanhã [quarta-feira] e temos de pensar no jogo difícil frente ao Desportivo das Aves, clube que tenho orgulho de também já ter representado, e dar o máximo. Não vale a pena fazer contas”, sublinhou.

 Os sadinos estão no limite da permanência, ocupando o 16.º lugar, com 30 pontos, três de vantagem para o Portimonense, a primeira equipa em zona de descida, e até ao final da prova vão defrontar o ‘lanterna vermelha’ Desportivo das Aves, Famalicão, Sporting e Belenenses SAD.

 O presidente Vítor Hugo Valente, também presente na cerimónia, lamentou a covid-19 e os seus efeitos (a equipa soma quatro derrotas consecutivas e a última vitória oficial, por 3-0, na visita a Tondela, para o campeonato, aconteceu em 26 de janeiro), assegurando que as consultas alargadas feitas no seio do clube para encontrar uma solução apontaram todas na direção de Lito Vidigal, a quem agradeceu.

 “Não é para todos ter um treinador para fazer estas quatro jornadas. Vem acrescentar muito e só posso agradecer. Vir nestas circunstâncias e situação… temos a ganhar muito no Vitória”, disse o presidente, que considerou “um não assunto” as declarações recentes do técnico espanhol Julio Velásquez sobre uma alegada falta de ambição no clube, argumentando que a saída foi acordada e reconhecida por ambas as partes.

 A estreia de Lito Vidigal pelo Vitória de Setúbal acontece mais de um ano depois da sua última passagem pelo clube e vai ter lugar na visita ao Desportivo das Aves, na quarta-feira, às 21:15, num jogo da 31.ª jornada que terá arbitragem de João Bento, da Associação de Santarém.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.