Pinto da Costa afirmou que há uma "guerra de poderes" para afastar Pedro Proença da liderança da Liga de Clubes. Em entrevista ao jornal 'O Jogo', o presidente do FC Porto denunciou que considera serem manobras para enfraquecer os poderes do líder da Liga de Clubes. Entre elas, uma carta escrita por 15 ex-presidentes a contestar Proença. Carta essa que, garante, não existe.

"Li num jornal [...] que um grupo de 15 ex-presidentes escreveu uma carta a contestar o Pedro Proença. [...] E perguntei-lhe: 'então aquela carta, quem é que a assinou?' E ele disse-me que não tinha recebido carta nenhuma. [...]Não recebeu ele, nem ninguém da Liga, nem houve email para a Liga, nada. O que sabia era pelos jornais. Não acha curioso? Mandam uma carta para os jornais, que supostamente enviaram à Liga, mas a carta não chegou lá. É engraçado, não é?", questionou Pinto da Costa, para quem Pedro Proença tem todas as condições para continuar na liderança da Liga de Clubes

O anúncio da não renovação do contrato da Liga com a operadora NOS, que termina no final da próxima época, é visto por Pinto da Costa como outra manobra de diversão.

"Acha normal que, quando vai recomeçar um campeonato chamado Liga NOS - que a NOS tem todo o interesse que saia prestigiado -, uma administradora, que nem sequer foi o presidente Sr. Miguel Almeida, telefone para a Liga com o objetivo de comunicar que daqui a catorze meses não vão renovar o contrato de sponsorização? Acha necessário, com catorze meses de antecedência? Ter de fazer um telefonema, nem sequer poder esperar para enviar a carta, e imediatamente isso sair nos jornais? O senhor não acha que isto se enquadra numa campanha contra o Pedro Proença? Já passaram muitos dias depois disto, sabe em que data chegou a carta? Nem o senhor, nem eu, nem ninguém, porque não chegou carta nenhuma. Engraçado, não é?", pergunta Pinto da Costa.

O presidente do FC Porto disse na mesma entrevista ao jornal 'O Jogo' que foi consultado por uma grande empresa multinacional que se mostrou interessada em reunir com o líder da Liga para um possível patrocínio do campeonato mas Pedro Proença não poderá dar uma resposta porque não recebeu a carta da operadora NOS a dar conta da finalização do contrato de sponsorização.

Para Pinto da Costa, toda esta contestação a Pedro Proença faz parte de "uma luta de poderes entre a Federação e a Liga e do desejo que sempre houve de concentrar tudo na FPF, em Lisboa". "A única maneira de o fazer é desprestigiar o presidente da Liga. Se ele se encher e bater com a porta, ficam à vontade para trazer de volta o Luís Duque ou o Mário Figueiredo, que foi eleito com os votos de quem hoje contesta", garantiu.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.