O treinador do Vitória de Setúbal, Sandro Mendes, disse hoje que a sua equipa tem de encarar o jogo com o Desportivo de Chaves, no domingo, da 33.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, como se fosse o último.

Na antevisão ao encontro da penúltima jornada da prova, o técnico quer resolver já as contas da permanência, sabendo que um empate praticamente assegura esse o objetivo.

"Domingo temos de deixar tudo em campo, não há outro caminho nem outra hipótese. Não é o último jogo, mas temos de encará-lo como se fosse para conseguir o nosso objetivo, respeitando o Chaves, que sabemos que tem bons jogadores e nos vai criar muitas dificuldades. O nosso objetivo são os três pontos", afirmou.

Questionado sobre a forma como se gere uma equipa que se encontra pressionada por estar envolvida na luta pela sobrevivência entre a elite do futebol nacional, Sandro Mendes frisa ser algo natural para quem é profissional da modalidade.

"Para quem anda no futebol e quer chegar a algum sítio tem de viver com a pressão. É preferível ter a pressão de ser campeão do que esta de não poder perder e de ter de conquistar pontos para não descer de divisão. Quem quer andar aqui tem de saber lidar com isso. Somos todos profissionais e sabemos tudo o que está envolvido neste jogo e nos outros", disse.

O treinador do Vitória de Setúbal está consciente das dificuldades que vai ter na partida em Chaves, cidade onde mora um adversário de qualidade.

"Vamos apanhar uma equipa bem orientada, trabalhada e que tem feito bons resultados nos últimos jogos. Estão a jogar em casa diante do seu público, mas nós sabemos o que temos de fazer e é nisso que temos de nos concentrar e agarrar. Será um jogo bastante complicado, mas estamos preparados para dar uma boa resposta", garantiu.

Confrontado com os incidentes do jogo de segunda-feira com o Boavista (derrota sadina por 3-0), que culminaram com a expulsão de três jogadores (José Semedo, Zequinha e Jhonder Cádiz) e a tentativa de invasão de adeptos do relvado, Sandro Mendes confessa não ter ficado indiferente ao sucedido.

"Fiquei a noite em claro a ver e a analisar tudo o que se passou. Temos de reconhecer que temos a nossa quota-parte de culpa, mas são coisas que, infelizmente, podem acontecer. É bom que não aconteça mais vezes e que aprendamos com os nossos erros. De resto, já passou e temos de estar focados no jogo de domingo com o Chaves", disse.

O treinador do Vitória de Setúbal acredita que o sucedido não vai afetar a equipa no jogo de domingo.

"Conversámos e analisámos o que aconteceu. O plantel está bem e acredito que vamos dar uma boa resposta em Chaves e voltarmos ao nosso normal. Desde que cheguei não tínhamos expulsões com vermelhos diretos e tínhamos reduzido o número de faltas em grande número. Nada fazia prever o que aconteceu. Temos de nos focar no que vínhamos fazendo bem", sublinhou.

Frente ao Chaves, Sandro Mendes não pode contar com os castigados José Semedo, Zequinha, Jhonder Cádiz, expulsos na jornada anterior, e Berto, que completou série de cinco cartões amarelos.

"Às vezes o mal de uns é o melhor para outros. Há a possibilidade quatro jogadores que integram o plantel de terem a sua oportunidade e darem o seu contributo para atingirmos o nosso objetivo", referiu.

Chaves, 15.º classificado com 32 pontos, e Vitória de Setúbal, 14.º com 33, defrontam-se no domingo, a partir das 15:00 horas, no Estádio Municipal Engenheiro Manuel Branco Teixeira, em Chaves, sob arbitragem de Artur Soares Dias, da associação do Porto.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.