O Sporting formalizou, esta segunda-feira, a queixa no posto da Polícia de Segurança Pública de Telheiras devido às alegadas agressões que foram alvos Miguel Afonso, vogal, e Filipe Osório de Castro, vice-presidente da Direção do Sporting. O incidente ocorreu este domingo, após o triunfo do Sporting diante do Benfica (2-0), em jogo da 17.ª jornada da fase regular do nacional de futsal, e antes do início do encontro com o Portimonense, para a 20.ª ronda da I Liga de futebol (triunfo, por 2-1).

Miguel Afonso terá sido agredido juntamente com a filha de 16 anos. Já Filipe Osório de Castro, terá sido alvo de tentativa de agressão e também cuspido. Os agressores estariam identificados com adereços alusivos à claque Juventude Leonina.

Pouco tempo depois do incidente, o Sporting emitia um comunicado onde repudiava mais este ato de violência contra o clube, rotulando-os de "cobardes e lamentáveis" já que "se repetiram com um Assistente de Recinto Desportivo" também ele alvo de agressões.

No final do jogo frente ao Portimonense, Frederico Varandas repudiou as agressões aos dois elementos da direção. O líder dos leões classificou o ataque como "cobarde", lembrando que os elementos da claque Juventude Leonina nunca mais vão ter os mesmos privilégios.

Esta segunda-feira, a Juventude Leonina, claque do Sporting, emitiu um comunicado oficial onde se demarca das agressões registadas na tarde de domingo, após o triunfo do Sporting diante do Benfica (2-0), em jogo da 17.ª jornada da fase regular do nacional de futsal, e antes do início do encontro com o Portimonense, para a 20.ª ronda da I Liga de futebol (triunfo, por 2-1).

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.