O alegado autor de um empurrão a um adepto do Benfica, no jogo particular de futebol frente à Académica, ficou hoje com termo de identidade e residência, indicou o seu advogado.

À saída do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra, o advogado do autor do empurrão referiu que, após primeiro interrogatório, não foi adicionada mais nenhuma medida de coação, ficando o seu cliente apenas com termo de identidade e residência (TIR), aplicada na segunda-feira, quando este se apresentou numa esquadra da Polícia de Segurança Pública (PSP) da cidade e foi constituído como arguido.

Um adepto do Benfica ficou ferido em consequência dos desacatos ocorridos no jogo particular de futebol com a Académica, no sábado, em Coimbra, que os campeões nacionais venceram por 8-0, estando internado e sob observação, devido à fratura de uma vértebra da coluna, informou, no domingo, o clube lisboeta.

Segundo o advogado do arguido, que não quis dar o seu nome, perspetiva-se uma eventual suspensão provisória do processo por parte do Ministério Público.

A agência Lusa tentou obter esclarecimentos junto do DIAP de Coimbra, mas sem sucesso.

O advogado do alegado autor do empurrão referiu que o seu cliente "lamenta o sucedido", salientando que foi um gesto "irrefletido e involuntário".

O arguido, que já pertenceu à claque da Académica Mancha Negra "não tem nenhum sentimento de animosidade contra a vítima ou contra o Benfica", estando preocupado "com o estado de saúde da vítima", frisou o advogado.

O jogo esteve interrompido durante cerca de oito minutos devido a incidentes nas bancadas entre adeptos - que chegaram a ‘refugiar-se’ na pista de atletismo -, levando à intervenção policial.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.