Conhecido pela impulsividade no banco e pelas reprimendas aos jogadores para dentro das quatro linhas, Jorge Jesus assume-se como “uma personalidade com convicções muito fortes”.

Chegou à Luz, prometeu o título e uma equipa a jogar o dobro. Agora, com o objectivo cumprido, revela que sopor uma vez duvidou de que o título ficaria mesmo na Luz.

“Houve um momento em que tive algum receio: foi na última jornada com o Rio Ave. Mas por causa da ansiedade que se instalara em toda a gente, sobretudo nos jogadores.”

Deixa elogios aos jogadores e chega mesmo a afirmar que se dependesse de si “não saía ninguém”.

No entanto, admite que será difícil segurar ‘pérolas’ como Di Maria ou David Luiz.

“Já disse que podemos perder alguns jogadores e não é fácil encontrar no Mundo substitutos á altura desses jogadores. Mas a SAD tem as mesmas ideias que eu: queremos ter uma equipa forte e só sairão jogadores se pagarem as cláusulas de rescisão.”

“Distraíram-se a inventar túneis”

Jesus não tem dúvidas. À pergunta “O Benfica foi a melhor equipa deste campeonato?”, o técnico não hesita:

“Nem há comparação possível!”

E explica qual foi o principal erro dos adversários:

“Quando não se têm muitos argumentos para apresentar, por vezes é preciso branquear determinadas situações para defender as suas equipas. Distraíram-se a inventar questões de túneis e nunca perceberam que não tinham os argumentos do Benfica.”

Depois de conquistado o título na sua primeira época na Luz, Jorge Jesus afirma que quer repetir a dose e diz que até será mais fácil consegui-lo:

“Cada vez seremos mais fortes porque nos conhecemos cada vez melhor.”

Desafios europeus

O treinador do Benfica não se mostra arrependido das opções que tomou, mas admite que a Liga Europa podia ter mesmo tido como destino o Estádio da Luz. Contudo, frisa, muito provavelmente isso teria posto em risco o campeonato.

“Acho que podia ter ganho a Liga Europa, mas também estou convencido que se calhar não teria vencido o campeonato, porque o Braga foi até ao fim.”

Para o ano o Benfica muda de palcos e chega à Liga dos Campeões e o treinador admite que, mesmo que possa não ser no próximo ano, essa é uma competição que quer vencer:

“A Champions é um objectivo da minha vida desportiva. Eu vou ter de ganhar a Champions dê lá por onde der. Em que ano não sei, mas que a vou ganhar disso não tenho dúvidas. Acredito que poderá ser pelo Benfica”, admite.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.