O melhor marcador do Sporting da Covilhã Adriano Castanheira justificou hoje o seu desempenho com o seu trabalho e a confiança dos treinadores, Dito e Filó, que não abdicaram do extremo em nenhum jogo.

O jogador de 26 anos, que em fevereiro foi considerado pelos treinadores o melhor jogador da II Liga, admitiu que não perspetivava ter feito 30 jogos no campeonato, mais quatro com os encontros da Taça de Portugal e da Taça da Liga, e mostrou-se satisfeito pelo reconhecimento do seu esforço.

"Deve-se ao muito trabalho, quer nos treinos, quer nos jogos. Não quer dizer que não tenha feito isso nas outras épocas, mas tanto o ‘mister’ Dito como o ‘mister’ Filó acreditaram em mim, no meu valor, apostaram em mim", salientou o extremo, que se tem destacado pela velocidade, pelo remate forte e pela capacidade no um para um.

O único jogador formado no clube regressou esta época aos serranos para se afirmar e diz que a temporada está a correr de acordo com as expectativas criadas no início, depois de ter jogado as duas últimas temporadas no Benfica e Castelo Branco e na União de Leiria, do Campeonato de Portugal.

"Eu tinha o objetivo de voltar para o Covilhã, com o intuito de jogar e de me afirmar. Isso acabou por acontecer. Queria tentar fazer um campeonato regular, com golos e assistências. Acabei por conseguir isso, fruto de muito trabalho", frisou o esquerdino, em declarações à agência Lusa.

Filó, técnico que em outubro de 2018 sucedeu a Dito no comando da formação serrana, elogiou o "rapaz humilde e trabalhador", que "está sempre nas jogadas de golo", acentuando os muitos golos marcados de fora da área e as suas capacidades técnicas.

"O Adriano tem uma leitura tática do jogo boa, é um jogador que, por norma, decide bem, que sabe ler, que sabe quando tem de ir no um contra um, que sabe quando deve passar, que sabe quando deve rematar, sabe servir, sabe cruzar, tem qualidades técnicas", enalteceu o técnico.

O avançado, que tem mais um ano de contrato com o clube, assumiu estar na idade para "dar o salto", assegurando estar focado em ajudar a equipa a garantir matematicamente a manutenção e tentar chegar aos dez golos (tem sete no campeonato e um na Taça de Portugal), para, no final, tratar do seu futuro.

"Desejo ir para a I Liga, só que para já o importante é acabar a época na melhor posição e só no final vou falar com o presidente e com o meu empresário sobre isso", sublinhou.

À Lusa, o representante do jogador, Nuno Correia, adiantou ter tido "várias abordagens de clubes da I Liga e também do estrangeiro", tal como propostas concretas, o que considera ser "natural, por o Adriano estar a dar nas vistas", mas lembrou o vínculo com o Sporting da Covilhã e a necessidade de qualquer negociação ter de passar pelo clube.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.