Portugal venceu a Arménia por 1-0, em jogo do Grupo I de qualificação para o Euro2016. Cristiano Ronaldo marcou o tento que lhe permite passar a ser o melhor marcador de sempre da história dos Europeus, com 23 golos. Os lusos ainda enviaram duas bolas aos ferros.

Naquele que foi o primeiro jogo oficial de Fernando Santos em solo lusitano, o selecionador de Portugal montou uma equipa virada para o ataque, de forma a quebrar a bem organizada defensiva da Arménia. Raphael Guerreiro "saltou" dos sub-21 diretamente para onze, que teve ainda o regresso de Bosingwa. Tiago e Moutinho fizeram a dupla de pivots no meio-campo, no apoio aos quatros da frente: Nani, Danny, Ronaldo e Postiga, este último uma pequena surpresa, já que se esperava que fosse Éder o escolhido.

Já o selecionador da Arménia, o suíço Bernard Challandes, montou a sua equipa num 5-4-1 que se desdobrava em 3-4-3. Mkhitaryan, Ghazaryan e Movsisyan, os homens da frente, os mais perigosos da equipa, deram muito trabalho à defensiva lusa na primeira parte, mostrando que também se pode criar oportunidades de golo com poucos homens a atacar. A estratégia da Arménia era simples: ganhar a bola, colocá-la nos três da frente com passes longos ou então transições rápidas, deixando a criatividade de Mkhitaryan e Ghazaryan "alimentar" o avançado Movsisyan. Além de "arrancar" cartões amarelos a Pepe, Ricardo Carvalho e Tiago, os jogadores da Arménia deram imenso trabalho a Rui Patrício na primeira parte.

O guarda-redes da seleção lusa negou o golo a Mkhitaryan, na marcação de um livre, com uma defesa vistosa,a os 15 minutos. Voltou a mostrar atenção aos 26 minutos, num remate de Ghazaryan que apareceu isolado nas costas de Raphael Guerreiro, após passe de Mkhitaryan. Processos simples mas eficazes.

Fernando Santos tinha pedido uma vitória, nem que fosse arrancada "à paulada" mas não se viu ninguém com "pau" na mão na procura do golo. Tirando duas quedas na área de Danny que pediu penálti em ambos, e de um remate de Ronaldo que o guarda-redes parou, a produção ofensiva dos primeiros 45 minutos era demasiado curto para quem jogava casa e precisava de ganhar. Faltava mais calma, mais discernimento e muito mais mobilidade nos homens da frente. E faltava também maior apoio dos mais de 21 mil que estavam nas bancadas, muitas vezes "abafados" pelos cerca de 100 arménios que iam apoiando a sua equipa, sem parar.

Para a segunda parte eram precisas mudanças e Fernando Santos nem perdeu tempo. Aos 55 minutos lançou Éder para o lugar de Hélder Postiga, na tentativa de ganhar maior presença na área. E aos 70 mostrou "dedo de treinador", ao lançar Ricardo Quaresma para o lugar de Danny. Um minuto depois de estar em campo, o extremo do FC Porto entrou na área pelo lado direito e rematou forte. O guarda-redes arménio largou a bola, Nani insistiu e deu para a "boca" da baliza onde apareceu o inevitável Cristiano Ronaldo a encostar para o fundo das redes. Um golo histórico, já que CR7 passava a ser o melhor marcador em Europeus (qualificação e fases finais), com 23 golos, mais um que os retirados Sukur e Tomasson.

Mas, antes do golo, Portugal já tinha mostrado um maior querer em ganhar o jogo. No minuto 63 Portugal esteve perto do golo em duas ocasiões. Primeiro foi Danny a rematar à barra após centro de Moutinho. No mesmo minuto, Haroyan cortou com a mão uma bola que ia ter com Éder. O árbitro mandou seguir, tal como tinha feito no primeiro tempo, em dois lances em que houve falta na área da Arménia sobre Danny.

A Arménia, que tanto tinha atacado na primeira parte, perdeu o gás e raramente apareceu junto da área de Patrício. Exceção foi um canto onde Voskanyan cabeceou para as mãos de Patrício. A perder, a turma de Challandes teve de subir mais no terreno, tentando chegar ao empate. Com isso, abriu mais espaço na sua zona defensiva, aproveitado por Portugal para criar perigo, principalmente em contra-ataque. O lance mais flagrante aconteceu aos 85 minutos, quando Ronaldo colocou a bola na pequena área para um golo certo que Éder conseguiu falhar. O mesmo Éder ficou perto do 2-0 aos 89, atirando ao poste após canto de Quaresma. Até ao final, Portugal ainda apanhou alguns calafrios, resolvidos por Patrício que mostrou segurança quando foi chamado a intervir.

No outro jogo do Grupo I a Dinamarca esteve a perder mas deu a volta e bateu a Sérvia por 3-1, o que lhe permite manter a liderança do grupo com sete pontos, mais um que Portugal que tem menos um jogo.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.