A seleção angolana de futebol deve-se pautar pela atitude, trabalho e muita humildade para estar presente, por direito próprio, na fase final da quinta edição da Taça CHAN, em 2018, no Quénia, defendeu esta terça-feira, em Luanda, o técnico principal, o brasileiro Beto Bianchi.

O treinador Palancas Negras, em declarações à Angop no Aeroporto de Luanda, após regresso das Ilhas Maurícias, referiu que apesar de faltar mais uma eliminatória (em caso de vitoria no jogo da segunda mão) para Angola estar presente no CHAN, a seleção nacional, depois de vencer fora as Ilhas Maurícias, deu o primeiro passo para a concretização deste objetivo.

"Foi dado um passo importante em Port Louis (Ilhas Maurícias), ganhar fora dá sempre mais tranquilidade para o segundo jogo, mas a eliminatória ainda está aberta. Temos que ter cuidado com a equipa adversária, pois o jogo de domingo foi bastante difícil, mas vamos passar a eliminatória no nosso país", afirmou.

Por outro lado, garantiu que o período que a seleção esteve fora (mais de 20 dias) serviu para dar estabilidade ao grupo, não só do ponto de vista físico e tático, mas também a nível psicológico.

Considerou que é sempre uma mais-valia a união e a convivência dos jogadores de uma seleção como a de Angola que realiza poucos jogos.

A seleção nacional de futebol regressou esta terça-feira ao país, depois de derrotar domingo, em Port Louis, a sua similar das Ilhas Maurícias, por 1-0, em desafio da primeira ''mão'' das eliminatórias qualificativas para a quinta edição da Taça CHAN 2018, no Quénia.

Para o jogo da segunda ‘’mão’’, marcado para o próximo final de semana, no Estádio 11 de Novembro, em Luanda, Beto Bianchi pediu a presença dos adeptos para apoiarem a seleção, "porque será já uma vitória se todos estivermos lá".

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.