Kathryn Mayorga pode vir a contar com uma 'amiga' de peso no caso em que acusa Cristiano Ronaldo de violação. Jasmine Lennard, modelo, atriz e apresentadora inglesa, alega ter namorado com o craque português a quem acusa de ser um "psicopata" e de a ter ameaçado de morte.

Diz a BBC que  Leslie Stovall, o representante legal de Kathryn Mayorga vai encontrar-se com Jasmine Lennard em Londres para saber de que forma pode ajudar a norte-americana, no caso contra Cristiano Ronaldo.

A modelo de 33 anos tem usado as redes sociais para comentar o caso da alegada violação de Cristiano Ronaldo e tecer várias acusações contra o internacional português. Numa das publicações no Twitter, acusa o português de ser um "psicopata".

"Disse-me que se eu namorasse outra pessoa ou saísse de minha casa, ele iria raptar-me e cortar o meu corpo, pô-lo num saco e atirá-lo ao rio. Sim, tenho provas de tudo o que estou a dizer. Ele é um psicopata", acusou Jasmine, que diz ter namorado com Cristiano Ronaldo há dez anos.

Mas, diz a BBC, Cristiano Ronaldo nega saber quem é Jasmine Lennard. A inglesa contou ainda que "alguém do escritório de advogados [de Cristiano Ronaldo]" prometeu pagar-lhe em troca de silêncio.

Neste início de janeiro, o site 'TMZSports' avançou que CR7 seria obrigado a entregar amostras de ADN à polícia de Las Vegas, no caso da alegada violação a Kathryn Mayorga. A referida fonte menciona que o craque português está disposto a colaborar com as autoridades, de acordo com fontes próximas do jogador.

No dia 10 de outubro, o 'Jornal de Notícias' escreveu na sua edição que o internacional português alega que foi outro homem a provocar as lesões sexuais a Kathryn Mayorga, já depois de os dois terem estado juntos. Diz ainda o jornal que Cristiano Ronaldo admite que manteve relações sexuais com a norte-americana mas que foi tudo consentido. Ronaldo nega ainda que tenha feito sexo anal com Kathryn Mayorga no quarto de um hotel 'The Palms Place Casino Resort', em Las Vegas, em junho de 2009.

Ronaldo e a acusação de violação: "O pior foi para a minha mãe e irmãs"
Ronaldo e a acusação de violação: "O pior foi para a minha mãe e irmãs"
Ver artigo

Após o caso que ocorreu em 2009, o jogador terá assinado um acordo de confidencialidade com Kathryn Mayorga através do qual a ex-modelo, assim como a sua família, amigos e advogados, se comprometeram a manter silêncio sobre o caso em troca de 375 mil dólares [cerca de 325 mil euros, a valores atuais] pagos pelo futebolista português.

A defesa de Cristiano Ronaldo está a cargo de David Chesnoff, um advogado norte-americano de 63 anos, conhecido por defender estrelas como a 'socialite' Paris Hilton, o cantor Bruno Mars, o pugilista Mike Tyson e a família de Michael Jackson.

A polícia de Las Vegas reabriu a investigação sobre as acusações de violação apresentadas pela norte-americana Kahtrin Mayorga contra Cristiano Ronaldo, por factos que remontam a 2009. A polícia acrescenta que em 13 de junho de 2009 foi apresentada uma queixa e que a sua autora foi submetida a um exame médico, mas não forneceu dados sobre os factos alegados nem a descrição do suspeito.

Kathryn Mayorga, agora professora com 34 anos, apresentou queixa há duas semanas num tribunal do condado de Clarck, Las Vegas, no estado norte-americano do Nevada.

Ronaldo não é o único. Recorde 15 jogadores acusados de abuso sexual
Ronaldo não é o único. Recorde 15 jogadores acusados de abuso sexual
Ver artigo

A queixosa alega que naquela data foi violada pelo agora jogador da Juventus num quarto de hotel em Las Vegas, ao qual terá subido, junto com outras pessoas, para apreciar a vista e a banheira de hidromassagem.

A suposta vítima relatou que Cristiano Ronaldo a terá interpelado enquanto trocava de roupa e a terá forçado a sexo anal – no fim, conta, o português ter-se-á desculpado e dito que costuma ser um cavalheiro.

O caso foi divulgado pela revista alemã 'Der Spiegel', a 28 de setembro, na primeira vez que Kathryn Mayorga falou sobre o caso - a história já tinha sido revelada em 2017, em documentos difundidos pela plataforma digital Football Leaks.

Kathryn Mayorga conta ainda que na altura terá sido coagida a assinar um acordo de confidencialidade a troco de cerca de 325 mil euros (375 mil dólares), assentimento que os seus advogados consideram não ter valor legal.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.